Papa: priorizar a proteção dos menores na atividade educacional da Igreja

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Priorizar cada vez mais a proteção dos menores na atividade educacional da Igreja. Esse é o pedido do Papa Francisco aos participantes do encontro “Promover a proteção da criança no tempo da Covid-19 e além”, realizado nesta quinta-feira (4), em Roma.

Na mensagem enviada ao evento, Francisco recorda a Carta ao Povo de Deus, de 2018. No documento, ele já falava que nunca será pouco tudo o que for feito em prol da proteção dos menores. “Um caminho que, como Igreja, somos chamados a percorrer todos juntos, impelidos pela dor e pela vergonha de não termos sido sempre bons guardiões, protegendo os menores que nos foram confiados em nossas atividades educacionais e sociais”.

Segundo o Papa, esse processo de conversão requer com urgência uma renovada formação de todos os que têm responsabilidade educativa e trabalham em ambientes com menores na Igreja, na sociedade e na família. Somente assim, defende ele, será possível desenraizar a cultura de morte que toda forma de abuso, sexual, de consciência e de poder traz consigo.

“Se o abuso é um ato de traição da confiança, que condena à morte quem o sofre e gera fendas profundas no contexto em que ocorre, a prevenção deve ser um caminho permanente de promoção de uma confiança renovada e certa em relação à vida e ao futuro, com a qual os menores devem poder contar.”

Artesãos da educação

Francisco destaca que os adultos são chamados a redescobrir sua vocação de “artesãos da educação”, esforçando-se para serem fiéis a ela. Isto significa favorecer a expressão dos talentos daqueles que acompanham, respeitar seu tempo, sua liberdade e dignidade, combater com todos os meios as tentações de seduzir e induzir, que apenas aparentemente podem facilitar as relações com as gerações mais jovens, explica o Papa.

O Santo Padre também mencionou os jovens, que pedem um passo decisivo de renovação diante das feridas dos abusos de seus semelhantes. E frisa que a contribuição deles será preciosa no reconhecimento das situações de risco e no apelo corajoso a toda a comunidade para que assuma a sua responsabilidade de proteger os menores.

Testemunho coerente

O Papa pede que os adultos que compartilham esse caminho com os jovens continuem sendo responsáveis no cuidado e coerentes no testemunho. O Pontífice também pede que as associações laicas perseverem nesta ação de formação para a corresponsabilidade, diálogo e transparência.

“Que a proteção dos menores seja cada vez mais concretamente uma prioridade na atividade educacional da Igreja; que seja a promoção de um serviço aberto, confiável e influente, que combata toda forma de domínio, desfiguração da intimidade e do silêncio cúmplice”, conclui.

O evento de hoje é promovido pela Comunidade Papa João XXIII, junto com a Ação Católica Italiana e o Centro Esportivo Italiano, em colaboração com o Centro de Vitimologia e Segurança da Universidade de Bolonha.

Fonte: Site Vatican News

Veja Também