O Sacerdócio de Cristo na Igreja

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Neste mês de agosto, dedicado às vocações, já ordenamos três sacerdotes e, nos próximos dias, mais dois jovens receberão o Segundo Grau do Sacramento da Ordem. Entretanto, cabe-nos lembrar que há somente um sacerdote na Igreja: é Cristo.

Pela bondade, pela misericórdia, pelo amor que tem à Igreja, Ele escolhe e envia apóstolos para fazer o que Ele mesmo deveria fazer, como nos afirma São Marcos: Jesus subiu a montanha, chamou os que ele quis e eles foram para perto dele. Então escolheu doze homens para ficarem com ele e serem enviados para anunciar o evangelho (Mc 3, 13-14). Também escolheu e enviou setenta e dois discípulos, como podemos ler no evangelho de São Lucas: O Senhor escolheu outros setenta e dois discípulos e enviou-os, dois a dois, à sua frente a toda cidade e lugar para onde ele mesmo devia ir (Lc 10, 1). Ao enviá-los, dá-lhes não apenas a ordem de pregar a Palavra, mas lhes confere poderes que são seus, poderes divinos sobre o mal, o veneno e os perigos. Só Ele poderia conferir a seres humanos tais prerrogativas.

Quando celebra a Páscoa, às vésperas de Sua morte, dá aos Apóstolos a ordem de realizar o que Ele próprio realizou sacramentalmente, ou seja, a Sagrada Eucaristia que instituiu naquela ceia derradeira, dizendo: Tomai e comei, isto é o meu corpo que será dado por vós… tomai e bebei, este é o cálice de meu sangue que será derramado por vós (cf Mt 26, 26-28). Eis o fundamento bíblico do Sacramento da Eucaristia. Também disse: Fazei isto em memória de mim (Lc 22,19). Eis o fundamento bíblico do Sacramento da Ordem. Após a ressurreição, no primeiro dia da semana, ele dá aos Apóstolos o poder de perdoar pecados, dizendo: Recebei o Espírito Santo; a quem perdoardes os pecados eles serão perdoados e aqueles que retiverdes serão retidos (Jo 20, 22). Eis o fundamento bíblico do Sacramento da Penitência.

É, portanto, o próprio Cristo que faz com que, pela Igreja, Seu Corpo Místico, novos discípulos Seus sejam escolhidos e enviados para exercer o sacerdócio que é d’Ele, por todos os lugares e por todos os tempos. Desta forma, a plenitude do sacerdócio de Cristo se realiza nos seus apóstolos. Os presbíteros, por sua vez, são colaboradores dos bispos, legítimos sucessores dos apóstolos. É bom recordar que nem os apóstolos, nem os presbíteros são sucessores de Cristo. Cristo não tem sucessores. Ele é único. São, contudo, pelo próprio desejo de Cristo, continuadores, atualizadores da Sua obra na Terra. São aqueles que realizam, durante a história, a missão de santificar, atualizando, em contínuo ato, a obra salvífica de Cristo. Na liturgia, o ministro ordenado age in persona Christi. Odo Casel, um dos maiores liturgos do século XX, ensina que A liturgia é a ação de Cristo na Igreja.

O Sacramento da Ordem é um ato de Cristo. É o Espírito Santo que vai agir no ordenando, no momento sacramental e daí para frente, em todo o correr da sua vida. Por isso, a Igreja ensina que o sacerdote é alter christus, um ‘outro Cristo’. É a presença visível de Cristo na vida da Igreja.

Dom Gil Antônio Moreira
Arcebispo Metropolitano de Juiz de Fora

Veja Também