Iniciando o ano sob o manto da mãe de Jesus

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Ao dar os primeiros passos para dentro no novo ano, nossos olhos se voltam para o futuro, cheios de preces e esperanças, mas estão também postos sobre a gruta de Belém. Estamos em clima de Natal. No dia primeiro do ano, celebramos a festa de Maria, a Mãe de Deus, Senhora da Paz, iniciando, esperançosos, 2016. 

No dia de ontem, 2 de janeiro, em meio a estas alegrias litúrgicas, recebemos em Juiz de Fora, a imagem peregrina de Nossa Senhora Aparecida vinda do Santuário Nacional, que visitará as nossas 90 paróquias, nas trinta e sete cidades que compõem nossa Arquidiocese, preparando-nos para as celebrações dos 300 anos do encontro da imagenzinha negra e bela nas águas do rio Paraíba em 1717. Será uma grande festa e Juiz de Fora não estará ausente.

No começo deste novo ano, colocados sob o manto sagrado da Mãe de Deus e nossa que agasalhou o Menino Jesus no aconchego de seu peito santo, almejamos paz, desejamos solução para os graves problemas políticos e econômicos, pedimos tranquilidade, suspiramos por alegria, e suplicamos a Deus tudo de melhor para o tempo que está começando.

Todos nós queremos que, no Brasil, o novo ano seja melhor que 2015. Seja vencida a corrupção política, seja modificado o que deve ser modificado, sejam mudadas as pessoas que não conseguem ajudar o país a sair da crise, sejam conservadas as que ainda podem fazer algo, seja banido o que estraga e seja conservado o que edifica. Sejam vencidos a mentira, a falsidade, os enganos, os interesses puramente ideológicos e partidaristas, sejam da esquerda, sejam da direita ou do centro, pois a mentira e a falsidade humilham nosso caráter, desprezam a dignidade da pessoa humana e ridicularizam nossa idoneidade. Definitivamente, os fins não podem justificar os meios. Todos estes anseios Juiz de Fora deposita, hoje, aos pés de Maria, a quem, por amor a Cristo, chamamos carinhosamente Rainha e Padroeira do Brasil.

O povo brasileiro, mesmo que seja composto de correntes religiosas diversificadas, é fortemente marcado pela fé em Deus, e se põe diante do Senhor do céu e da terra. Este povo não é, de forma nenhuma, adepto do laicismo preconceituoso e discriminatório que alguns pretendem impor a esta nação, mas confia em Deus que enviou seu Filho amado para ser o nosso Salvador e a Ele não renuncia por nenhuma paixão ideológica de vertente ateísta ou de intolerância religiosa.

Ao acolher Maria em nossa cidade e em nossos corações, sob o símbolo da singela imagem, aprendemos com a Virgem de Nazaré que Deus é Pai Misericordioso, que somente Ele pode nos atender em tantas necessidades pessoais, familiares ou comunitárias. Somente Ele, na sua imensa misericórdia pode perdoar nossos pecados, pois enviou o seu Filho querido para morrer na cruz e nos salvar. Somente ele, na sua bondade infinita, pode nos tirar das tribulações, das tempestades que às vezes acontecem em nossas vidas. Mas sabemos também que somos todos irmãos e podemos nos ajudar uns aos outros a pedir a Ele as graças de que necessitamos. Podemos nos fazer ajudar pelos irmãos e irmãs que ainda caminham na terra conosco, como também pelos que nos precederam e já se encontram na glória eterna, imersos na mediação única de Cristo, sendo a primeira e mais excelsa intercessora, aquela que Deus mesmo escolheu para ser a Mãe Puríssima do Salvador, bendita entre todas as mulheres, Mãe do meu Senhor, como nos ensinam as Escrituras. (cf. Lc 1, 42)

A Arquidiocese de Juiz de Fora percorrerá em peregrinação de cidade em cidade, com a imagem de Nossa Senhora Aparecida, durante oito meses, até chegar agosto quando retornaremos para restituí-la ao seu lugar de origem, com uma grande romaria das paróquias a Aparecida. Momento alto será a visita da santa imagem aos sofredores, doentes, prisioneiros e marginalizados, bolsões da caridade.

Somos felizes de receber a Imagem Peregrina nesta ocasião natalina e na aurora deste ano novo, colocando nossas esperanças e anseios sob o olhar maternal de Maria, associando nossas celebrações com o tema do Ano Santo da Misericórdia, lembrando o que disse Papa Francisco na Bula Misericordiae Vultus: O pensamento agora se volta para a Mãe de Misericórdia. A doçura do seu olhar nos acompanhe neste Ano Santo, para podermos todos nós redescobrir a alegria da ternura de Deus. Ninguém, como Maria, conheceu a profundidade do mistério de Deus feito homem.

Que a Mãe do Senhor que anda entre nós, no símbolo santo da piedosa imagem, nos abençoe e nos proteja, intercedendo por nós diante do trono do Altíssimo, a cada dia deste novo ano.

Dom Gil Antônio Moreira
Arcebispo Metropolitano de Juiz de Fora

Veja Também