“É uma oportunidade de colocar no coração dos nossos leigos todo este amor a Deus e à Igreja”, diz Dom Gil sobre retiro sinodal

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

No último final de semana, cerca de 40 missionários sinodais participaram de um retiro espiritual no Ceflã. Os leigos e leigas representaram as paróquias do interior da Arquidiocese de Juiz de Fora, para onde estão voltados os olhares na segunda fase do II Sínodo Arquidiocesano. A reformulação pastoral e a caridade também são focos desta etapa, prevista para terminar em novembro.

Durante os dois dias de encontro, foram oferecidos aos participantes momentos de oração, palestras de aprofundamento e Celebrações Eucarísticas. Na manhã de domingo (15), o Arcebispo Metropolitano, Dom Gil Antônio Moreira, presidiu Santa Missa na capela da casa. Em entrevista, o Pastor Arquidiocesano revelou sua alegria em ver os missionários reunidos para rezar, meditar e se confraternizar. “O retiro é um alimento espiritual que nós temos; ele nos fortalece, nos ajuda, nos enriquece, nos impulsiona, nos leva para Deus e para o próximo. É uma oportunidade de colocar no coração dos nossos leigos todo este amor a Deus e à Igreja, para que ela possa ser cada vez mais sinodal, ou seja, cada vez mais unida e que nós sejamos, então, unidos para anunciar o Senhor e para viver a sua Palavra”, pontuou Dom Gil.

Para a missionária sinodal Mônica Miranda Lanzoni Lopes de Oliveira, da Paróquia Nossa Senhora da Conceição de Rio Novo (MG), o retiro é momento de um encontro particular com Cristo. “Aquilo nos restabelece, renova as nossas forças.” Ela ainda falou sobre o sentimento de ter sido escolhida para representar sua paróquia nos trabalhos sinodais. “A gente sente que o chamado está acontecendo para você, é muito pessoal. A gente vem se preparando, e às vezes tem até motivos que tentam impedir de vir, mas não adianta, a força do Cristo é maior e a gente vem em nome d’Ele.”

Já Paulo Roberto Ferreira, da Paróquia São Sebastião de Santos Dumont (MG), afirmou ser uma experiência diferente de ser Igreja. “A gente fica muito localizado na nossa paróquia e aqui nós encontramos pessoas de várias realidades. Então é um enriquecimento muito grande, de se sentir uma Igreja maior do que aquela que nós simplesmente participamos no dia a dia. A experiência da oração é do buscar ouvir a Deus e principalmente ouvir a Deus através dos irmãos.”

A próxima atividade da segunda fase do II Sínodo será a videoconferência do dia 25 de maio, que reunirá as foranias Mãe de Deus e Sant’Ana.

Clique aqui e confira mais fotos do Retiro e da Missa de domingo.

Veja Também