Domingo de Ramos e da Paixão do Senhor é marcado por celebrações presenciais e procissões

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Depois de dois anos vivenciando a Semana Santa à distância, somente com transmissões pelas redes sociais, o Domingo de Ramos e da Paixão do Senhor marcou o retorno dos fiéis às igrejas e às ruas, com as tradicionais procissões. Na Catedral de Juiz de Fora, a Santa Missa das 10h foi presidida pelo Arcebispo Metropolitano, Dom Gil Antônio Moreira.

Antes da celebração, no exterior da Catedral, houve o momento da leitura do primeiro evangelho do dia, que narra a entrada triunfal de Jesus em Jerusalém. Em seguida, Dom Gil abençoou os ramos e sucedeu-se uma pequena procissão em direção ao templo religioso. “Nós, com nossos ramos, estamos dizendo para Jesus que queremos sempre segui-Lo, queremos ser seus discípulos missionários, queremos agradecê-Lo, porque Ele doou a sua vida por nós”, afirmou o Vigário Geral da Arquidiocese, Monsenhor Luiz Carlos de Paula.

Dom Gil aprofundou o significado da celebração que abre a Semana Santa. “É um momento em que nós aclamamos a Cristo, Rei do Universo, mas esta aclamação cessa em determinado momento porque nós vamos meditar sobre as traições que Jesus sofreu, sobre os problemas que enfrentou, as torturas, a morte; e ela voltará no Domingo da Páscoa, com a aclamação definitiva: Jesus ressuscitou e não morre mais. A grande mensagem de hoje é esta entrada dentro dos mistérios de Cristo, para meditarmos sobre o grande amor, a grande misericórdia do Pai, que nos envia o Seu Filho para morrer por nós.”

O Arcebispo comemorou a volta das celebrações presenciais. “O povo estava sedento, com vontade de voltar a celebrar presencialmente, e as igrejas estão cheias. Esse é um momento de grande alegria para nós, de ação de graças, porque Deus vai ajudando a população do mundo a vencer a pandemia e que seja duradoura essa paz”, finalizou.

Clique aqui e confira mais fotos da celebração de Ramos.

Veja Também