Costurando solidariedade: voluntárias da Paróquia Santa Teresinha produzem EPIs para profissionais de saúde

0

Há cerca de uma semana, um grupo de 16 costureiras da Paróquia Santa Teresinha, de Juiz de Fora, começou a produzir kits de equipamentos de proteção individual (EPIs). As peças, que serão destinadas a médicos, enfermeiros, técnicos e outros funcionários de unidades de saúde da cidade, foram finalizadas na última terça-feira (31).

*Primeiros kits de EPIs produzidos pelas costureiras da Paróquia Santa Teresinha

As costureiras, sendo sete integrantes do Centro de Aprendizagem Santa Catarina (CASC) – obra social paroquial -, confeccionaram calças, camisas e toucas de TNT. Parte do material foi doada por fiéis e, o restante, comprado com doações feitas em dinheiro, somadas a recursos da paróquia. Foram feitos, ao todo, 113 kits, e outros já estão sendo produzidos pelas voluntárias.

A ação une-se ao projeto encabeçado por membros do Rotary Club de Juiz de Fora Passaporte Estrela Sul. Há 15 dias, a atual presidente do coletivo, Daniela Benício de Aguiar, começou a produzir, em sua própria casa, máscaras que protegem contra o novo coronavírus (Covid-19). Ao detectar a necessidade de EPIs nas unidades de saúde, a partir de depoimentos de médicos que estão tratando de pacientes infectados pela doença, ela decidiu iniciar a fabricação desses equipamentos, que são altamente descartáveis.

Duas semanas depois, o Rotary já conseguiu o apoio de uma malharia – que corta o TNT – e de uma transportadora, que leva o tecido para as 50 costureiras espalhadas por toda Juiz de Fora. Depois de prontos, os equipamentos de proteção individual são distribuídos nas unidades de saúde e nos serviços de transporte de pacientes do município. Até agora, já foram feitos cerca de 800 kits, segundo Daniela. O Hospital de Pronto Socorro Dr. Mozart Teixeira (HPS), as Unidades de Pronto Atendimento (UPAs), o Hospital Universitário (HU) e o Samu estão entre os contemplados.

*Voluntárias separam kits no interior da Igreja Matriz

A campanha, batizada de “Linha de Frente”, chegou à Paróquia Santa Teresinha através de Eduardo Croché, paroquiano que soube do projeto e pediu a ajuda do Padre Everaldo José Sales Borges. A intenção inicial era conseguir o auxílio de empresários da região, mas tomou outra proporção. “Conversando juntos, pensamos que o ideal seria envolver a comunidade de Santa Terezinha, porque nós estamos nessa situação de espera, de recolhimento, mas também de vontade de fazer alguma coisa para mudar essa realidade; contribuir com essa campanha em favor da vida e de cuidado com aqueles que estão cuidando da nossa saúde”, contou Eduardo.

Segundo Padre Everaldo, todas as costureiras trabalham nas suas casas, seguindo a recomendação de distanciamento social. O sacerdote também ressaltou a importante parceria entre Igreja e sociedade civil. “As pessoas da paróquia que estão ajudando se sentem muito úteis, porque elas sabem que, de alguma forma, estão participando de uma campanha para impedir a propagação de uma doença no Brasil inteiro. Uma já me disse: ‘eu sinto que, através do meu trabalho, eu estou protegendo a família do enfermeiro, a família do médico, estou ajudando o Poder Público a ter médicos e enfermeiros saudáveis para atender aos necessitados’”.

A produção se une à iniciativa das próprias costureiras do CASC de fazer máscaras de tecido, que já estão sendo doadas à população. Depois de dar uma pausa para a fabricação das EPIs, o projeto foi retomado nesta quinta-feira (2), de acordo com o padre. “Aí eu percebo que a Paróquia Santa Teresinha, de alguma forma, está também auxiliando as famílias, os profissionais de saúde e os enfermos que precisam dessa atenção e de cuidado especial”, salientou.

Uma das costureiras da paróquia, que é idosa e faz parte do grupo de risco determinado pelas autoridades de saúde na pandemia da Convid-19, compartilhou a alegria de integrar o projeto. “Eu estava muito angustiada, triste, deprimida, sofrendo com as notícias. Agora, ocupadas as mãos e a cabeça, como eu estou me sentindo bem! Bem mais disposta, até me alimentando melhor”.

Para manter a produção das peças de TNT, a Paróquia Santa Teresinha está aceitando doações de rolos do material ou ofertas em dinheiro. Os interessados em ajudar podem deixar seus donativos na Igreja Matriz, que fica na Av. Rui Barbosa, s/nº – Santa Terezinha.

Conteúdo Relacionado
X