Conselho Permanente define data da 60ª Assembleia Geral e tema da CF 2024

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

O Conselho Permanente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) concluiu sua última reunião do ano no fim desta manhã, de forma virtual. Durante a sessão realizada nesta quinta-feira, 24, os bispos decidiram sobre o formato de realização da 60ª Assembleia Geral da entidade e definiram o tema e o lema da Campanha da Fraternidade 2024 (CF 2024).

Para a assembleia, foi escolhido o tradicional encontro com 10 dias de duração, presencialmente, de 19 a 28 de abril. Uma novidade é que os bispos poderão deliberar sobre a realização de uma etapa virtual, a ser realizada no mês de agosto, caso haja necessidade.

Para a CF 2024, quando serão celebrados os 60 anos de realização das Campanhas da Fraternidade, foi escolhido o tema “Fraternidade e amizade social” e o lema “Vós sois todos irmãos e irmãs” (Cf Mt 23,8).

60ª Assembleia Geral

No início da reunião, foram apresentadas as propostas de formato para a realização da 60ª Assembleia Geral da CNBB: novamente em duas etapas, uma virtual e outra presencial, ou a realização totalmente presencial, em 7 ou 10 dias. Até o momento, são oito temas na pauta da Assembleia, entre eles, a eleição dos membros da Presidência e dos presidentes das 12 Comissões Episcopais Pastorais. Assim, a escolha levou em consideração a necessidade de debater os temas, garantir os momentos de oração e de convivência entre o episcopado.

A maioria votante escolheu o tradicional formato em 10 dias de encontro, de 19 a 28 de abril, em Aparecida (SP). Caso seja necessário, a própria assembleia geral poderá definir a realização de uma segunda etapa, dessa vez virtual, entre os dias 21 e 25 de agosto de 2023.

Campanha da Fraternidade 2024

O bispo auxiliar da arquidiocese do Rio de Janeiro (RJ) e secretário-geral da CNBB, dom Joel Portella Amado, apresentou a proposta de tema e lema para a CF 2024 a partir da motivação de que os mesmos destaquem os 60 anos da Campanha da Fraternidade, e recuperem a identidade e a riqueza da campanha como proposta de vivência Quaresmal, como havia sido discutido no Consep do mês passado. A proposta considerou também a consulta popular realizada em 2021 para colher sugestões de temas.

Os bispos indicaram sugestões voltadas para a reafirmação do sentido de mobilização por vida plena e pela promoção da fraternidade e da amizade social. As indicações foram compiladas em seis sugestões colocadas em votação. Foi escolhido o tema “Fraternidade e amizade social“. O lema será o mesmo da Campanha da Fraternidade 2018 “Vós sois todos irmãos e irmãs” (Cf Mt 23,8).

O assessor de Campanhas da CNBB, padre Patriky Samuel Batista, comentou a escolha dos bispos:

“É tempo de refletir sobre a fraternidade e a amizade social, converter o coração, promover a comunhão e não descuidar daquilo que é caro a todos nós: a dimensão social do Evangelho precisa ser redescoberta. Cuidar da vida partindo da experiência do encontro pessoal com Jesus Cristo que tem ressonâncias na comunidade, na sociedade. E o lema nos inspira a trilhar esse caminho”.

Os próximos passos para a preparação da CF 2024 será a definição pelos bispos do enfoque a ser abordado no texto base e a nomeação da equipe redatora.

Outros assuntos

A reunião também tratou de outros assuntos, como a definição de que os Prêmios de Comunicação serão realizados a cada dois anos. O restante do tempo foi dedicado a partilhas sobre as visitas Ad Limina Apostolorum, concluídas no último mês, e informes.

O assessor político institucional, padre Paulo Renato Campos, falou do acompanhamento de projetos em tramitação no Congresso Nacional; o arcebispo de São Paulo e representante da CNBB no Conselho Episcopal Latino-Americano, cardeal Odilo Pedro Scherer, divulgou a publicação do texto com reflexões e propostas pastorais a partir da 1ª Assembleia Eclesial da América Latina e do Caribe; e o arcebispo de Campo Grande (MS), dom Dimas Lara Barbosa, falou dos próximos passos para a institucionalização da rede de entidades católicas beneficentes de assistência social. Presidentes de organismos e regionais também fizeram suas partilhas.

Fonte: Site da CNBB

Veja Também