Arquidiocese de Juiz de Fora abre fase local do Sínodo dos Bispos

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

A Arquidiocese de Juiz de Fora deu início na tarde do último domingo, 17 de outubro, à fase local do Sínodo dos Bispos 2021-2023, convocado pelo Papa Francisco. O ato teve lugar durante a Missa, na Catedral Metropolitana de Juiz de Fora.

A celebração, em unidade com as dioceses do mundo todo, foi presidida pelo Arcebispo Metropolitano, Dom Gil Antônio Moreira, concelebrada pelo Vigário Geral da Arquidiocese, Monsenhor Luiz Carlos de Paula e demais padres da Catedral.

Por determinação do Papa, foi aberto o caminho de escuta e discernimento nas Igrejas locais, através de questionários, celebrações, orações. Essa é a fase do sínodo iniciado pelo Papa Francisco em Roma, no dia 10 de outubro, se estende até março de 2022. Na sequência, haverá a fase continental. Por fim a fase mundial, com a celebração da Assembleia do Sínodo no ano de 2023.

O Arcebispo de Juiz de Fora explicou o propósito do Papa com tal iniciativa. “Refletir, justamente, sobre uma Igreja Sinodal, onde todos caminham juntos com participação, comunhão e missão. É com alegria que a Arquidiocese de Juiz de Fora abre essa fase diocesana do Sínodo dos Bispos em Roma, convocados pelo Papa Francisco”.

Durante a homilia, Dom Gil destacou que a Igreja celebra os sínodos devido ao pedido de Jesus para que sejamos “um só”. “A palavra vem do grego e, em tradução simples, é traduzida como ‘caminhar juntos’. E o Sínodo dos Bispos discutir a partir e sobre isso”, afirmou o Pastor.

Além disso, o Pastor recordou nossa atual caminhada sinodal. “Em Juiz de Fora, já estamos acostumados com essa dinâmica e palavra. A Igreja de Juiz de Fora já é sinodal e missionária, mas precisa se aperfeiçoar. Por isso, no dia 31 de outubro, vamos entrar na nova fase do II Sínodo Arquidiocesano”.

II Sínodo Arquidiocesano

A próxima etapa do sínodo iniciado em 2019, terá dois enfoques escolhidos: caridade e a pastoral. Sua abertura oficial será marcada por uma Celebração Eucarística, às 16h, na Catedral Metropolitana. A Missa deve contar com a presença de grande parte do Clero e dos missionários sinodais. Além disso, na ocasião acontece a Ordenação Diaconal dos seminaristas Rafael Nascimento e Robert Teixeira.

“Esse nosso sínodo Arquidiocesano vem como que acoplado ao sínodo mundial que o Papa anuncia. Para nós, não é difícil entender o que é uma Igreja Sinodal, onde todos procuram caminhar juntos, humildemente, renunciando seus interesses pessoais para, juntos, encontrar uma maneira segura de obedecer a Cristo e propagar a sua Igreja, portanto ser missionária”, conclui Dom Gil.

O Sínodo dos Bispos

O Papa Francisco ressaltou durante a comemoração do 50º aniversário da instituição do Sínodo dos Bispos, em outubro de 2015, que “o Sínodo dos Bispos é o ponto de convergência do dinamismo da escuta recíproca no Espírito Santo, conduzida em todos os níveis da Igreja” Assim, a Secretaria do Sínodo pontua que a articulação das diferentes fases do processo sinodal possibilitará a escuta real do Povo de Deus e será garantida a participação de todos no processo sinodal: “Não é apenas um acontecimento, mas um processo que envolve em sinergia o Povo de Deus, o Colégio Episcopal e o Bispo de Roma, cada um segundo a sua função”.

Com a síntese de cada Diocese, a Secretaria Geral do Sínodo elaborará um primeiro instrumento de trabalho a ser utilizado na segunda fase, a Continental, de setembro do próximo ano até março de 2023. Com os dados desta fase, a Secretaria Geral produzirá, até junho de 2023, um segundo instrumento de trabalho, que servirá de base para a fase da Igreja Universal, em outubro de 2023, em Roma, com a participação de Bispos do mundo inteiro. A equipe de animação do Sínodo no Brasil já realizou live enfocando a fase diocesana do mesmo e está disponibilizando indicações práticas de participação.

*Com informações de Vatican News

Veja Também