“Tecnologia e solidão” é tema de reflexão em Aula Magna do curso de Teologia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Na noite da última quarta-feira (21) foi realizada no Seminário Arquidiocesano Santo Antônio, a aula inaugural do novo semestre do Curso de Teologia, realizado em parceria com o Centro de Ensino Superior (CES/JF).

A aula magna contou com as falas dos professores e mestres Padre Elílio de Faria Matos Júnior e Padre João Francisco Batista da Silva, que discorreram sobre o tema “Tecnologia e solidão: reflexões para uma antropologia filosófico-teológica”.

O arcebispo metropolitano, Dom Gil Antônio Moreira, e o reitor do Seminário, Monsenhor Luiz Carlos de Paula, estiveram presentes na mesa de abertura, assim como o coordenador do curso de Teologia e vice-reitor do Seminário, Padre Antônio Camilo de Paiva, que ocupou o papel de facilitador do evento.

Dom Gil falou da importância desta ocasião, “esse momento da aula magna tem a importância de dar o início oficial ao semestre. As aulas já se iniciaram, mas uma aula magna tem um tema especial, é um momento especial, é um momento solene da nossa escola, dos nossos cursos.”

Padre João Francisco, Padre Camilo e Padre Elílio Jr., respectivamente, compondo a mesa.

Segundo o Coordenador do curso de Teologia, Padre Camilo, a teologia auxilia o ser humano a ler e interpretar a realidade do mundo. Em vista disso, ele explica a proposta da aula, “essa reflexão ajuda os nossos alunos a olharem para o mundo, não simplesmente como aquele que assiste, mas aquele que pode mudar o mundo, a compreender a realidade que nós estamos vivendo”.

O evento contou com a participação de muitos alunos e alguns professores do curso, todos buscando tentar entender a sociedade dita como “da técnica”, que tem como uma das consequências a solidão. Para, assim, pensarem nos desafios que tem surgido em vista desse cenário.

Em entrevista, o Padre João Francisco sintetizou a importância da discussão sobre esta temática, “hoje em dia as pessoas vivem diante de uma realidade muito múltipla de diálogos de conversas, de conexões, inclusive, de elementos que facilitam a comunicação e, ao mesmo tempo, estabelecem algum tipo de distância. A pessoa se pergunta se na lista de seus dois mil amigos, algum, de fato, estabelece uma comunicação verdadeira. Aí ela se vê diante da solidão”.

Ele continua o esclarecimento, “é um fenômeno existencial que faz parte da vida do ser humano, que a gente precisa saber dar respostas, porque se não soubermos a gente corre o risco de cair no isolamento. O isolamento não tem comunicação, não tem resposta, não tem amizade, não tem saída, isolamento é fechamento para o próximo, e inclusive para Deus”.

Veja Também