Sínodo para Amazônia chega ao fim com missa presidida pelo Papa Francisco

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Depois de três semanas de trabalho, encerrou-se hoje, dia 27 de outubro, o Sínodo para Amazônia com uma missa presidida pelo Papa Francisco, na Basílica de São Pedro. Participaram da celebração os padres sinodais e demais integrantes do Sínodo, como representantes indígenas e especialistas em Amazônia.

Durante a missa, o Santo Padre agradeceu a participação de todos os envolvidos na realização da Assembleia Sinodal. “Foi bom e vos agradeço, queridos padres e irmãos sinodais, por termos dialogado, nessas semanas, com o coração, com sinceridade e franqueza, colocando fadigas e esperanças diante de Deus e dos irmãos”, afirmou.

“Neste Sínodo, tivemos a graça de escutar as vozes dos pobres e refletir sobre a precariedade das suas vidas, ameaçadas por modelos de progresso predatórios. E, no entanto, precisamente nesta situação, muitos nos testemunharam que é possível olhar a realidade de modo diferente, acolhendo-a de mãos abertas como uma dádiva, habitando na criação, não como meio a ser explorado, mas como casa a ser guardada, confiando em Deus. Ele é Pai e – diz ainda Ben Sirá – «ouvirá a oração do oprimido» (35, 13). Quantas vezes, mesmo na Igreja, as vozes dos pobres não são escutadas, acabando talvez vilipendiadas ou silenciadas porque incômodas. Rezemos pedindo a graça de saber escutar o clamor dos pobres: é o clamor de esperança da Igreja. Assumindo nós o seu clamor, também a nossa oração atravessará as nuvens”.

Homilia

Na homilia, o Papa Francisco alertou sobre a atitude do fariseu no Evangelho de Lucas (18,9-14), que durante a oração apenas destaca as leis que seguiu: “o fariseu vangloria-se porque cumpre do melhor modo possível preceitos particulares. Mas esquece o maior: amar a Deus e ao próximo (cf. Mt 22, 36-40). Transbordando de confiança própria, da sua capacidade de observar os mandamentos, dos seus méritos e virtudes, o fariseu aparece centrado apenas em si mesmo. Vive sem amor. Mas, sem amor, até as melhores coisas de nada aproveitam, como diz São Paulo (cf. 1 Cor 13). E sem amor, qual é o resultado? No fim de contas, em vez de rezar, elogia-se a si mesmo. De fato, não pede nada ao Senhor, porque não se sente necessitado nem em dívida, mas com crédito. Está no templo de Deus, mas pratica a religião do eu”.

Devemos nos espelhar, segundo o Papa, na oração do publicano, que suplica piedade por ser pecador: “hoje, contemplando o publicano, descobrimos o ponto onde recomeçar: do fato de nos considerarmos, todos, necessitados de salvação. É o primeiro passo da religião de Deus, que é misericórdia com quem se reconhece miserável. Ao passo que a raiz de todo o erro espiritual, como ensinavam os monges antigos, é crer-se justo. Considerar-se justo é deixar Deus, o único justo, fora de casa”.

Angelus

Logo após a missa de encerramento do Sínodo, na oração do Angelus, o Papa Francisco também falou sobre o trabalho no Sínodo para Amazônia: “o clamor dos pobres, juntamente com o da terra, chegou da Amazônia. Após essas três semanas, não podemos fingir que não ouvimos. As vozes dos pobres, juntamente com as de muitos outros dentro e fora da Assembléia do Sínodo – pastores, jovens, cientistas – nos pressionam a não permanecer indiferentes. Muitas vezes ouvimos a frase ”mais tarde, é tarde demais”. Não pode continuar assim como um slogan”.

“O que foi o Sínodo? – questionou o Papa já com uma resposta – Foi, como a palavra diz, uma caminhada juntos, consolada pela coragem e consolações que vêm do Senhor. Caminhamos olhando nos olhos um do outro e ouvindo um ao outro, sinceramente, sem esconder as dificuldades, experimentando a beleza de seguir em frente juntos, para servir”.

Por fim, o Papa Francisco pediu a proteção de Nossa Senhora: “invoquemos a Virgem Maria, venerada e amada como Rainha da Amazônia. Tornou-se não conquistadora, mas “inculturada”, com a humilde coragem de sua mãe, tornou-se a protetora de seus filhos, a defesa dos oprimidos. A ela, que cuidou de Jesus na casa pobre de Nazaré, confiamos as crianças mais pobres e nosso lar comum. Ela, uma mulher de esperança, pode interceder para que o Espírito Santo desça sobre nós, que com sua doce criatividade torna todas as coisas novas”.

Fonte: Site da CNBB

Veja Também

Contatos

Fale com a Arquidiocese

Cúria Metropolitana de Juiz de Fora

Tel: (32) 3229-5450

E-mail

Endereço

Av. Barão do Rio Branco, 4516
Alto dos Passos, Juiz de Fora – MG
CEP: 36026-500

Atendimento

Assessoria de Comunicação

8h às 17h

Arquivo Arquidiocesano

Atend. Interno – 8h30 às 16h30
Atend. Externo – 13h30 às 16h30

Folha Missionária

8h às 13h

Jurídico

8h ‪às 12h‬ e de 13h ‪às 17h

Tesouraria

8h às 11h30 e de 13h às 16h

Tribunal Eclesiástico

13h às 17h

Cadastre-se aqui para receber novidades e atualizações da Arquidiocese

© Copyright Arquidiocese de Juiz de Fora. Feito com por