Santa Missa marca 70 anos de sacerdócio de Monsenhor Hernani de Oliveira

0

No último sábado, 8 de dezembro, Solenidade da Imaculada Conceição de Maria, Monsenhor Hernani de Oliveira completou 70 anos de ordenação presbiteral. No domingo (9), a data foi lembrada durante Celebração Eucarística em ação de graças realizada na Igreja São José do Bairro Costa Carvalho, onde o jubilando atuou durante quatro décadas.

A missa foi presidida pelo arcebispo metropolitano, Dom Gil Antônio Moreira, e concelebrada por Mons. Hernani, pelo administrador paroquial, Padre Pierre Maurício de Almeida Cantarino, pelos vigários gerais da Arquidiocese, Mons. Miguel Falabella e Mons. Luiz Carlos de Paula, além dos padres José Sávio Ricardo e Everaldo José Sales Borges. O Padre Sebastião Jorge, pertencente à Diocese de Leopoldina e residente em Juiz de Fora, também estava presente, assim como o Diácono Sebastião Afonso.

Ao se referir ao seu atual vigário paroquial, o anfitrião do dia, Padre Pierre, disse ser um bonito testemunho de fé. “É reconhecer que o ministério sacerdotal é presente na vida de um povo, de maneira muito especial nesta paróquia, onde o monsenhor, por 40 anos, pastoreou. Então, para a Igreja é um testemunho bonito do significado e do valor do sacerdote na vida da comunidade”.

Mons. Falabella, que tem 64 anos de sacerdócio, acompanhou toda a vida religiosa de Mons. Hernani e o considera um irmão e pai espiritual. “Amor e fidelidade à nossa Igreja santa. Foi o lema da vida dele e a prática da vida dele. O amor pela causa de Deus, pela nossa Igreja e na fidelidade. É um sacerdote extraordinário”, disse.

Visivelmente emocionado, Monsenhor Hernani explicou o motivo da escolha pela Igreja São José para o dia festivo. “Aqui nesta paróquia eu celebrei a minha primeira missa, porque o pároco era Cônego Vicente, que era o meu primo, então tive mais essa motivação para vir para cá. E graças a Deus a paróquia está me aguentando até hoje”, brincou.

Perguntado sobre o momento mais especial de sua vida de padre, o sacerdote não falou somente de um. “É o dia a dia, é a caminhada. É a presença dos amigos na oração, na comunidade. E sempre, graças a Deus, por onde eu passei não deixei nenhuma desavença, nenhuma inimizade, tratando a todo mundo do mesmo jeito, da mesma maneira, sem dar preferência a aquele ou a aquela”.

O arcebispo metropolitano ressaltou a alegria da Arquidiocese de Juiz de Fora em celebrar o jubileu. “De 1948 para cá, Monsenhor Hernani tem servido muito à Igreja. Em primeiro lugar, trabalhou 30 anos como professor do Seminário e diretor espiritual. Foi vigário geral, depois por 40 anos esteve nesta Paróquia de São José, dedicando tudo do melhor à Igreja Particular de Juiz de Fora. Ele é um homem exemplar, sobretudo na vida da oração. Portanto, é um modelo de vida espiritual também para os demais sacerdotes”.

Durante sua homilia, Dom Gil também destacou o feito, que acontece pela segunda vez em 90 anos de (arqui)diocese. Refletindo sobre as leituras do Segundo Domingo do Advento, ele ainda disse que Deus sempre envia “pastores de esperança”. “A missão do sacerdote é esta: anunciar esta conversão, mas sempre no consenso da esperança. E agradecemos hoje o trabalho desse nosso irmão, que desde dia 8 de dezembro de 1948 vem procurando anunciar a conversão, chamar os pecadores à modificação, conduzir as comunidades para o Senhor, mas sempre dando a esperança”.

Ao final da Santa Missa, o Diácono Sebastião Afonso entoou o cântico Te Deum em ação de graças pela data. Monsenhor Hernani ainda recebeu diversas homenagens: da Paróquia São José, do Apostolado da Oração e de seu afilhado. Também ganhou presentes de crianças vestidas com camisas do Botafogo, seu time de coração. Em seguida, presenciou a afixação de placa comemorativa na entrada da Igreja Matriz.

Conteúdo Relacionado
X