Primeiro encontro da Escola Catequética em 2024 é realizado

Foto: Cedida pela equipe de coordenação de catequese

O Auditório Mater Ecclesiae sediou o primeiro encontro da Escola Catequética da Arquidiocese de Juiz de Fora no último sábado, dia 25 de maio. Cerca de 70 catequistas participaram do momento que aconteceu com um público um pouco diferente.

A proposta da escola neste ano é fazer um trabalho diversificado: aumentando o número de vagas, facilitando o acesso dos catequistas novos e saindo de Juiz de Fora. Em vista disso, o primeiro encontro contou apenas com representantes das paróquias da cidade de Juiz de Fora, que puderam enviar ao menos dois representantes – o coordenador e um catequista novato.

Padre Gleydson Pimenta de Faria, um dos assessores da Pastoral Catequética, contou que boa parte dos presentes estavam na Escola pela primeira vez, algo que ele também espera que ocorra nas formações nas foranias. “Nós iremos ao longo do ano, fazer encontros com as foranias do interior. Queremos facilitar o acesso dos Catequistas das Paróquias do interior, para que eles possam não ter a dificuldade de um deslocamento tão grande”.

Na ocasião, foram abordados os seguintes assuntos: os itinerários possíveis para formação dos catequistas, o Ministério de catequista e o processo de formação na Escola Catequética, esta última terá como tema central, neste ano, a Identidade e Ministério do Catequista.

A Carta Apostólica do Sumo Pontífice pela qual se institui o Ministério de Catequista também foi tratada, alguns critérios sobre o perfil daqueles que podem ser convocados para serem catequistas. “Convém que, ao ministério instituído de Catequista, sejam chamados homens e mulheres de fé profunda e maturidade humana, que tenham uma participação ativa na vida da comunidade cristã, sejam capazes de acolhimento, generosidade e vida de comunhão fraterna, recebam a devida formação bíblica, teológica, pastoral e pedagógica, para ser solícitos comunicadores da verdade da fé, e tenham já maturado uma prévia experiência de catequese (cf. Conc. Ecum. Vat. II, Decr. Christus Dominus, 14; CIC cân. 231 §1; CCEO cân. 409 §1; Antiquum Ministerium 8.).

“A gente entende que o processo de formação de catequistas é a base, o elemento fundamental para nós termos uma boa catequese, uma catequese de qualidade. Existem outros desafios com os quais queremos e precisamos lidar, por exemplo, a preparação de um material próprio para a catequese arquidiocesana, de um diretório para a catequese arquidiocesana, mas isso tudo só será possível na medida que tivermos catequistas bem formados, que possam inclusive participar da construção, da configuração desses materiais”, explicou Padre Gleydson.

Já está marcado para o próximo mês o Encontro da Coordenação Arquidiocesana com catequistas da Forania Santa Ana no dia 22 de junho. As demais datas serão divulgadas em breve.

Veja Também