Primeiro dia da 59ª AG da CNBB traz Análise de Conjuntura Social e estudo sobre comunicação no processo eleitoral

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Teve início nessa segunda-feira, 25 de abril, a primeira etapa da 59ª Assembleia Geral da CNBB, que se realiza até sexta-feira (29), na modalidade on-line. Na primeira sessão, o bispo de Carolina (MA), Dom Francisco de Lima Soares, coordenador do grupo de Análise de Conjuntura da CNBB, apresentou a Análise de Conjuntura Social, cujo eixo foi “muitas guerras, muitas pestes e pouca democracia”.

A reflexão, intitulada “Os clamores do meu povo. A realidade brasileira de 2022”, se inspirou em dois documentos históricos da Igreja no Brasil: “Eu ouvi os clamores do meu povo a realidade do Nordeste em 1973” e “Y-Juca-Pirama, o índio: aquele que deve morrer, documento de urgência de bispos e missionários, do Centro-Oeste”.

A análise apontou o espectro da fome e da insegurança alimentar que “voltou a se agravar e a castigar a população brasileira”. Segundo o documento, a volta do espectro da fome é fruto de uma herança estrutural do Brasil, o segundo maior exportador de alimentos do mundo, só perdendo para os Estados Unidos, com produção capaz de alimentar 1,6 milhões de pessoas. “O problema não está na capacidade de produzir, mas também nos mecanismos de distribuição”, disse dom Francisco.

O grupo de análise de conjuntura também comentou os cenários econômico e político de 2022, reiterando reflexões apresentadas em conjunturas anteriores e falando sobre o atual momento: “autoritário, transformação dos adversários políticos em inimigos, destruição das conquistas e dos direitos consolidados, desmonte das políticas públicas e a desinstitucionalização e desgaste da democracia, forte presença das redes sociais e de um ‘ódio’ político que transformou o debate em embate”.

Uma característica que foi apresentada na análise é a de que debate religioso ganha, cada vez mais, destaque e protagonismo nas eleições deste ano, com deputados e ministros ligados às Igrejas neopentecostais ocupando funções e áreas estratégicas do governo. A análise apontou que é sintomático o fato de que escândalos políticos durante o atual governo federal têm sido protagonizados por líderes religiosos. “A utilização da religião, notadamente do cristianismo, tem caracterizado a nova extrema-direita global”, apontou a análise.

Comunicação no Processo Eleitoral

O último assunto em pauta no período da manhã tratou sobre a comunicação no processo eleitoral de 2022. O assunto foi abordado, em cerca de vinte minutos de exposição, pelo professor emérito da Universidade de Brasília e membro do Observatório de Comunicação religiosa da Igreja no Brasil, Venício Lima.

Ele aprofundou sobre a questão de como o Brasil vive a democracia, ressaltando que o país ainda é inexperiente nesse âmbito, devido a uma série de questões históricas, dentre as quais estão os meios de comunicação social, com uma grande responsabilidade. “No Brasil, a mídia constitui um oligopólio do ponto de vista econômico e opera como um monopólio, do ponto de vista político. Esses fatos perpetuam o grande paradoxo da nossa democracia: o direito ao voto foi universalizado, mas se impede estruturalmente a formação de uma consciência democrática. Tudo isso, claro, é a própria negação da isegoria”, explicou.

Ao avançar na reflexão, abordando diretamente o processo eleitoral de 2022, professor Venício falou sobre alguns desafios do momento atual, como a questão da disseminação de notícias falsas (fake news) e os questionamentos quanto à credibilidade da Justiça Eleitoral (Tribunal Superior Eleitoral). “2022 não é um ano como qualquer outro. Celebramos o bicentenário de nossa independência política. E as eleições gerais que se realizarão em outubro não são eleições como quaisquer outras. A democracia e suas instituições estão sob ataque reiterado e permanente”, frisou o professor.

Para concluir, Venício falou da grande responsabilidade que a Igreja Católica possui quanto à democracia: “Nesses tempos sombrios, quando a democracia se encontra sitiada, a responsabilidade da Igreja e de suas autoridades é imensa. A CNBB, nas suas sete décadas de existência, tem se constituído em referência ética para os movimentos sociais, as lideranças populares e os formadores de opinião”.

Após a exposição do professor Venício, muitos bispos se manifestaram. Além de expor suas ideias e preocupações quanto ao assunto, todos expressaram gratidão ao professor pela reflexão apresentada.

Projeto “Encantar a Política”

Contribuir para a formação da consciência do eleitor brasileiro, por meio de um processo que o leve a uma leitura crítica e para uma cidadania ativa. É com este objetivo que o Conselho Nacional do Laicato no Brasil (CNLB), em parceria com outros organismos, preparou o caderno “Encantar a política”, apresentado na tarde dessa segunda-feira (25), em coletiva de imprensa, pelo presidente da Comissão Episcopal para o Laicato da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e bispo da diocese de Tocantinópolis (GO), Dom Giovane Pereira de Melo.

De acordo com o prelado, a iniciativa vai para além das eleições 2022. “Este é um projeto de formação política permanente, que nós desejamos que contribua durante as próximas eleições”, disse dom Giovane, destacando que o processo tem ainda um longo caminho a ser percorrido, por se tratar de um amplo projeto de formação. Desenvolvido por muitas mãos, o texto do “Encantar a política” é inspirado nas encíclicas do Papa Francisco: “Evangelli Gaudium”, “Laudato Si” e Fratelli Tutti”.

Análise Eclesial aborda Documento de Aparecida

Na segunda sessão da 59ª Assembleia Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), representantes do  Instituto Nacional de Pastoral Padre Alberto Antoniazzi (Inapaz), organismo ligado à entidade, apresentaram a análise de conjuntura eclesial com o tema: “Aparecida 15 anos depois: contribuições, perspectivas e desafios”.

O objetivo, segundo o secretário-executivo do Inapaz e assessor da Comissão de Cultura e Educação da CNBB, padre Danilo Pinto, foi refletir de que forma as Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil (2008 – 2023) recepcionaram o Documento de Aparecida (2007), fruto da V Conferência Geral do Episcopado Latino Americano. A análise apresentada fez também um diagnóstico do documento, em sua metodologia e conteúdo, apontando os principais pontos apresentados para a caminhada da Igreja na América Latina.

No documento de Aparecida, de acordo com o padre Danilo, sobressaiu um olhar do discípulo missionário, fruto da influência do então cardeal Jorge Mario Bergoglio, o Papa Francisco, que coordenou a comissão de redação da V Conferência Geral do Episcopado Latino Americano. O Arcebispo de Brasília (DF) e referencial do Inapaz, Dom Paulo Cezar Costa, destacou que o documento de Aparecida já apontava uma “uma mudança de época, com transformações em seu nível mais profundo que é no campo cultural” e que marcou profundamente a Igreja.

*Fonte: Site da CNBB

Veja Também