Pastoral do Menor inicia planejamento para retomada de trabalhos presenciais

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

No último sábado, 2 de outubro, a coordenação arquidiocesana da Pastoral do Menor reuniu-se com o Pároco da Paróquia Nossa Senhora da Conceição de Benfica, Padre Luiz Eduardo de Ávila, e a equipe de coordenação do bairro para traçar estratégias para a retomada do trabalho presencial na região. Na ocasião, foi pensado o Plano de Ação para 2022.

*Foto enviada pela Coordenadora da Pamen

Segundo a Coordenadora da Pamen, Alessandra Cristina de Castro, os trabalhos estão sendo organizados por grupo de base. “A primeira reunião para organizar a retomada foi em Benfica, mas ainda vamos conversar com os coordenadores paroquiais, agentes e educadores dos demais núcleos e definir o retorno do atendimento presencial”, informou, ressaltando que somente o núcleo São Jerônimo, no Bairro Ponte Preta, retornou às atividades presenciais com as crianças.

As atividades dos cinco núcleos foram suspensas devido à pandemia, mas o auxílio não parou. “Continuamos assistindo as nossas crianças, adolescentes e suas respectivas famílias com doações de máscaras, alimentos e material pedagógico. Os adolescentes do CSE também receberam a doação de máscaras que foram confeccionadas por agentes da Pamen”, afirmou Alessandra.

“O nosso objetivo de reunir com cada núcleo, em cada paróquia, é ter uma escuta atenta às necessidades de cada realidade e construir com eles, e junto com o pároco, um Plano de Ação para direcionar a retomada dos trabalhos, respeitando os protocolos sanitários e o distanciamento social, pois infelizmente a pandemia ainda não acabou”, apontou. A coordenação arquidiocesana da Pastoral do Menor também está organizando a volta da Assistência Religiosa no Centro Socioeducativo (CSE) Santa Lúcia junto aos adolescentes que estão cumprindo medida de internação.

A Pastoral do Menor

A Pastoral do Menor, mesmo com o advento do Estatuto da Criança e do Adolescente – sobre o qual dispõe a Lei Federal 8.069 de 13 de julho de 1990, dando um novo rosto à terminologia na abordagem da infância e adolescência -, mantém inalterada, desde 1977 (quando foi criada por Dom Luciano Mendes de Almeida, Ruth Pistore e Ir. Maria do Rosário), sua denominação. A intenção é trazer sempre viva a mística evangélica de acolhida aos pequenos, lema da Campanha da Fraternidade de 1987 e o lema da Pastoral: “Quem acolhe o menor, a mim acolhe” (Mc 9, 37).

“Somos a Pastoral do Menor a serviço da vida de crianças e adolescentes, principalmente aquelas mais empobrecidas e violadas em seus direitos”, ressalta a Coordenadora arquidiocesana da Pamen. Na Arquidiocese de Juiz de Fora, o grupo está organizado em três linhas de ação:

1) Crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade social e/ou pessoal: apoio socioeducativo através do atendimento direito nos núcleos de base nas comunidades: Ponte Preta, Vila Esperança I, Nova Era, Granjas Betânia;

2) Adolescente autor de ato infracional: Assistência Religiosa no Centro Socioeducativo Santa Lúcia;

3) Políticas Públicas: fortalecimento do sistema de garantia de direitos através da participação e atuação nos Conselhos e Fórum dos Direitos da Criança e do Adolescente.

Veja Também