Paróquias da Arquidiocese de Juiz de Fora lembram o Mês do Dízimo

Mês do Dízimo
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Em novembro, a Arquidiocese de Juiz de Fora celebra o Mês do Dízimo. A iniciativa, adotada em diversas dioceses do Brasil, terá, em 2016, na Igreja Particular local, o tema “Quem cultiva a sua terra terá alimento em abundância” (Pr 12,11).

Para nortear as reflexões em torno do mês temático, a Equipe Arquidiocesana da Pastoral do Dízimo preparou um material especial para as paróquias. Nele, estão incluídos folhetos com reflexões e orações para cada domingo do mês e um cartaz. No primeiro fim de semana de dezembro, uma mensagem do arcebispo metropolitano de Juiz de Fora, Dom Gil Antônio Moreira, será entregue aos fiéis reforçando a importância do dízimo.

O coordenador arquidiocesano da Pastoral do Dízimo, Padre Alessandro de Melo, explica a escolha do tema da campanha de 2016, versículo bíblico retirado do capítulo 12 do Livro dos Provérbios. “O capítulo é uma orientação: Através de vários exemplos de como procede o justo e o injusto, o texto indica que o proceder correto traz a vida e a felicidade. A palavra cultivar indica trabalho, cuidado, zelo, dedicação. Então pensamos que essa terra é o nosso coração, é a nossa vida. O alimento em abundância é a Palavra de Deus e o efeito que ela produz. Então, se trabalhamos o nosso coração e o preparamos, iremos com certeza colher os frutos desta Palavra em nossa vida, sempre fazer da Palavra o alimento que sustenta nossa caminhada”.

Segundo Padre Alessandro, o dízimo é um tema a ser tratado durante todo o ano, mas que, em novembro, se destaca como um importante eixo na ação evangelizadora da Igreja. “O dízimo cultiva nossa experiência com Deus, o nosso compromisso com a Igreja, a nossa consciência cristã e a nossa entrega e participação. O católico, sendo dizimista, participa da obra de evangelização da Igreja, estabelece um vínculo de amor e cuidado com as coisas de Deus. E, ao tomar consciência de sua responsabilidade e papel atuante, ele entrega o dízimo de modo mais comprometido com vida da comunidade de fé”.

É importante destacar que, conforme indica o Documento 106 da CNBB – “O dízimo na comunidade de fé: orientações e propostas” –, das contribuições recolhidas por cada paróquia da Arquidiocese, uma parte é destinada à manutenção das próprias paróquias e de seus projetos. Uma fatia dos recursos é voltada para o investimento nas pastorais e, a outra parte, é aplicada em obras de caridade.

Outras informações:
Assessoria de Comunicação Arquidiocese de Juiz de Fora: (32) 3229-5450

Veja Também