Paróquia de São José das Três Ilhas recebe imagens restauradas

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Depois de quase quatro anos, a Paróquia São José, do Distrito de São José das Três Ilhas, em Belmiro Braga (MG), terá de volta três importantes peças de seu acervo sacro. As imagens de São José, Nossa Senhora do Rosário e São Sebastião, entregues em 2018 ao Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico (Iepha) para restauro, foram devolvidas na última sexta-feira, 8 de julho, em solenidade realizada em Belo Horizonte (MG).

A cerimônia contou com a presença do Arcebispo Metropolitano de Juiz de Fora, Dom Gil Antônio Moreira, do Administrador da Paróquia São José, Padre Wesley Carvalho Neves, e do Secretário de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais, Leônidas Oliveira, além de representantes do distrito mineiro, do Iepha e da Fundação de Arte de Ouro Preto (FAOP), instituição responsável pela restauração das imagens.

Após uma reconstrução inadequada e mais de quatro anos de espera, Dom Gil resumiu o momento como um alívio para o coração. “Como eu sempre digo, imagem sacra não foi feita para museu, mas para ser venerada; é um elemento artístico que nos leva a uma espiritualidade mais profunda”, pontuou. O Arcebispo ainda falou da parceria entre Igreja e Poder Público em prol da conservação dos bens históricos e artísticos. “Todo mundo ganha: a Igreja, o Estado, o povo. O diálogo sincero e fácil é a solução de tantos problemas, inclusive financeiros. Nós temos obras de arte maravilhosas, mas só o povo, com as suas contribuições, não consegue resolver esse problema.” Outra boa notícia recebida pelo Pastor Arquidiocesano foi a inclusão de um representante da Igreja Católica no Conselho de Patrimônio do Estado de Minas Gerais. A promessa foi feita pelo Governador Romeu Zema durante encontro realizado na manhã daquele dia.

O Secretário de Cultura caracterizou a cooperação mútua como desejável e profícua. “O patrimônio sacro tem, em Minas Gerais, uma grande expressão. Nós temos no Estado 62% do patrimônio histórico nacional e grande parte desse patrimônio é da Igreja. Estabelecer uma parceria com a Arquidiocese de Juiz de Fora é a oportunidade de uma aproximação com a Igreja para podermos, juntos, buscar recursos para a efetivação da salvaguarda, da proteção e, sobretudo, da restauração desse patrimônio tão importante para a memória cultural do Estado de Minas Gerais.”

O Administrador da Paróquia São José, Padre Wesley, afirmou que as imagens restauradas representam a história da devoção no distrito. “Isso demonstra o interesse da Igreja, mas também da comunidade, para com as artes sacras. É uma alegria, renova a nossa esperança e confiança no trato com as coisas históricas, de maneira especial a imagem, que expressa a nossa fé, a nossa religiosidade, que nos liga a Deus”, completou.

O Diretor de Proteção e Memória do Iepha, Raphael João Hallack Fabrino, que é juiz-forano, falou de sua alegria em contribuir com a entrega das imagens à comunidade de São José das Três Ilhas. “Elas agregam valor ao acervo de toda a região. A igreja de São José das Três Ilhas tem uma arquitetura monumental, é um patrimônio cultural de Minas Gerais, então fico muito feliz de ver essas imagens retornando para casa. A gente entende que obviamente são também consideradas obras de arte, com valor histórico e artístico, mas o mais importante é que estejam nas comunidades para que possam ser veneradas, para que a comunidade possa voltar a conviver com elas no seu cotidiano; e só assim o patrimônio cultural se realiza, com os seus aspectos materiais conservados, mas também com seus aspectos simbólicos, afetivos.”

No mesmo sentido, Dom Gil afirmou que a Igreja não faz a arte pela arte. “Ela não constrói elementos artísticos para fins museológicos, ela faz a arte para, através dela, comunicar a mensagem de Cristo. A arte é capaz de chegar a todos: aos sábios, aos inteligentes, aos analfabetos e aos incultos; é uma linguagem mais forte do que a escrita, do que a fala, é uma linguagem que chega ao coração das pessoas. Por isso a Igreja sempre teve o cuidado de, através da arte, evangelizar.”

Processo de restauro

*Dom Gil e o Leônidas Oliveira com representantes da Arquidiocese de Juiz de Fora, da Paróquia São José, do Iepha e da FAOP

Segundo o Presidente da FAOP, Jefferson da Fonseca Coutinho, o processo de restauro das imagens de São José, Nossa Senhora do Rosário e São Sebastião levou cerca de 18 meses. “Havia a necessidade, em um primeiro momento, de retirar o que havia sido feito, que não era absolutamente apropriado e historicamente não combinava com as imagens. O processo é delicado, feito minuciosamente, muito tecnicamente, com todo o cuidado, o acompanhamento e o registro histórico. É uma reconstrução. E para nós, neste momento, esse compromisso com a originalidade é uma satisfação enorme. Estamos falando de uma fundação com 54 anos de história e essa entrega é o desdobramento desse trabalho.”

A Coordenadora do Núcleo de Restauro da FAOP, Roberta Silva, explicou as etapas para a restauração das imagens. “Fazemos todo um contexto histórico de pesquisas, procuramos saber a história da imagem, fazemos uma análise do estado de conservação dela, quais são as perdas que ela tem, e depois começamos a fazer os testes para saber se é possível fazer remoção da repintura e como a gente vai reintegrar essa policromia depois.”

De volta para o altar

As imagens voltam ao altar da Matriz de São José das Três Ilhas no dia 7 de agosto. Naquele dia, elas serão abençoadas pelo Arcebispo de Juiz de Fora, Dom Gil, e entronizadas solenemente na igreja. A Missa está marcada para as 11h.

*A imagem de São José foi repintada de forma equivocada há alguns anos e, por isso, foi feito um trabalho de remoção da pintura e depois a recuperação de perdas pontuais das cores originais.
*A imagem de Nossa Senhora do Rosário tinha perdas em sua base, onde faltava um dos anjos. Também foi feita a repintura em alguns pontos.
*A imagem de São Sebastião havia sido repintada e tinha problemas estruturais. Foi feita reestruturação, a retirada da repinturas e feita a policromia.

Veja Também