Papa: na Quaresma, pedir a graça de despertar da letargia interior

*Foto: Reprodução Vatican News
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

O episódio da Transfiguração proposto pelo Evangelho desse II Domingo da Quaresma foi o tema da reflexão do Papa Francisco no Angelus dominical. Numa Praça São Pedro ensoralada, com temperatura quase primaveril, o Pontífice comentou um detalhe da cena em que Jesus sobe o monte com Pedro, Tiago e João: a sonolência dos discípulos num momento tão importante, diante do espetáculo único de ver Jesus mudar de aspecto.

Lendo com atenção o Evangelho, explica o Papa, Pedro, João e Tiago adormecem antes que tenha início a Transfiguração, isto é, enquanto Jesus estava em oração. “Tratou-se evidentemente de uma oração que se prolongou por muito tempo e os discípulos foram vencidos pelo cansaço”. Francisco, então, questiona: “este sono fora de lugar não se parece talvez com muitos de nossos sonos que nos vêm durante momentos que sabemos ser importantes, como o convívio familiar depois de um dia de intenso trabalho?”

“O tempo forte da Quaresma é uma oportunidade neste sentido. É um período em que Deus quer nos acordar da letargia interior. Porque – lembremo-nos bem – manter acordado o coração não depende somente de nós: é uma graça e deve ser pedida.”

Superar o cansaço com a força do Espírito

Os discípulos acordam justamente durante a Transfiguração, talvez devido à luz que emanava de Cristo. Assim como eles, acrescentou o Papa, também nós precisamos da luz de Deus, que nos faz ver as coisas de modo diferente; nos atrai, nos desperta, reacende o desejo e a força de rezar, de olhar para dentro de nós mesmos e de dedicar tempo aos outros. “Podemos superar o cansaço do corpo com a força do Espírito de Deus.” E quando não conseguirmos, Francisco sugeriu recorrer ao Espírito Santo: “Ajuda-me, quero encontrar Jesus. Pedir ao Espírito Santo que leve embora esta sonolência que nos impede de rezar.”

Eis, então, a exortação do Pontífice a dar ao Senhor a possibilidade de nos surpreender e reavivar o nosso coração. Isso pode ser feito concretamente abrindo o Evangelho e deixando-se surpreender pela Palavra ou contemplando o Crucifixo e maravilhar-se com o seu amor, que nunca se cansa de nós. “Que a Virgem Maria nos ajude a manter desperto o nosso coração para acolher este tempo de graça que Deus nos oferece.”

*Fonte: Site do Vatican News

Veja Também