Papa Francisco: a porta estreita de Jesus nos torna capazes de acolher a verdadeira vida

*Foto: Reprodução/Vatican Media
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

O Papa Francisco rezou a oração mariana do Angelus desse domingo (21) com os fiéis e peregrinos reunidos na Praça São Pedro. Na alocução que precedeu a oração, o Pontífice recordou a passagem do Evangelho de Lucas da liturgia do dia, em que alguém pergunta a Jesus: “São poucos aqueles que se salvam?”. E o Senhor responde: “Façam todo o esforço possível para entrar pela porta estreita”.

Segundo o Papa, “a porta estreita é uma imagem que poderia nos assustar, como se a salvação fosse destinada apenas a poucos eleitos ou aos perfeitos. Mas isso contradiz o que Jesus ensinou em muitas ocasiões; e de fato, um pouco mais adiante, Ele afirma: “Muita gente virá do oriente e do ocidente, do norte e do sul, e tomarão lugar à mesa no Reino de Deus.”. Portanto, essa porta é estreita, mas está aberta para todos! Não se esqueçam disso: a todos! A porta está aberta para todos!”

A medida é Jesus e seu Evangelho

“Para entender melhor, é preciso se perguntar o que é essa porta estreita. Jesus pega a imagem da vida daquela época e provavelmente se refere ao fato de que, ao cair da noite, as portas da cidade eram fechadas e apenas uma, menor e mais estreita, permanecia aberta: para voltar para casa só se podia passar por ali”, sublinhou Francisco.

A seguir, o Papa convidou a pensar no que Jesus diz: “Eu sou a porta: Quem entra por mim, será salvo”. “Significa que para entrar na vida de Deus, na salvação, é preciso passar por Ele, não por outro, por Ele, acolher Ele e sua palavra. Assim como para entrar na cidade era preciso ‘medir-se’ com a única porta estreita que permanecia aberta, assim a do cristão é uma vida ‘à medida de Cristo’, fundada e modelada Nele. Significa que a medida é Jesus e seu Evangelho: não o que pensamos, mas o que Ele nos diz. Portanto, se trata de uma porta estreita não porque seja destinada a poucos, mas porque ser de Jesus significa segui-lo, comprometer a vida no amor, no serviço e no dom de si como Ele fez, que passou pela porta estreita da cruz.”

Segundo o Papa, “entrar no projeto de vida que Deus nos propõe requer restringir o espaço do egoísmo, reduzir a presunção de autossuficiência, baixar a estatura da soberbia e do orgulho, vencer a preguiça para atravessar o risco do amor, mesmo quando envolve a cruz”.

Escolher a porta estreita de Jesus

“Pensemos concretamente nos gestos de amor diários que realizamos com dificuldade: nos pais que se dedicam aos filhos fazendo sacrifícios e abrindo mão do tempo para si mesmos; nos que cuidam dos outros e não apenas dos próprios interesses, quantas pessoas são assim, boas; nos que se dedicam ao serviço dos idosos, dos mais pobres e dos mais frágeis; nos que trabalham com afinco, suportando dificuldades e talvez incompreensões; nos que sofrem por causa da fé, mas continuam rezando e amando; nos que, em vez de seguir seus instintos, respondem ao mal com o bem, encontram a força para perdoar e a coragem para recomeçar.”

Esses “são alguns exemplos de pessoas que não escolhem a porta larga de seu próprio conforto, mas a porta estreita de Jesus, de uma vida passada no amor. Estes, diz hoje o Senhor, serão reconhecidos pelo Pai muito mais do que aqueles que acreditam que já foram salvos e, na realidade, são trabalhadores da injustiça, disse ainda Francisco.

“Irmãos e irmãs, de que lado queremos estar? Preferimos o caminho fácil de pensar apenas em nós mesmos ou da porta estreita do Evangelho, que coloca em crise o nosso egoísmo, mas nos torna capazes de acolher a verdadeira vida que vem de Deus e nos torna felizes? De que lado estamos?”, perguntou o Papa, pedindo para que “Nossa Senhora, que seguiu Jesus até a cruz, nos ajude a medir nossa vida Nele, para entrar na vida plena e eterna”.

Apelo do Papa pela Nicarágua e pela Ucrânia

Após a oração mariana do Angelus desse domingo (21), o Papa Francisco fez o seguinte apelo: “Acompanho de perto com preocupação e tristeza a situação que se criou na Nicarágua, que envolve pessoas e instituições. Gostaria de expressar minha convicção e minha esperança de que, por meio de um diálogo aberto e sincero, se possam encontrar as bases para uma convivência respeitosa e pacífica. Peçamos ao Senhor, por intercessão da Puríssima, para que inspire esta vontade concreta no coração de todos.”

Além disso, pela 13ª vez consecutiva desde 5 de junho, após as saudações dos grupos na Praça São Pedro, o Papa fez mais um apelo, recordando o drama que o país do Leste Europeu está vivendo: “Perseveramos na proximidade e na oração pelo querido povo ucraniano, que está vivendo uma imensa crueldade.”

*Fonte: Site do Vatican News

Veja Também