Papa aos comunicadores: contrastar as ‘fake news’, mas não isolar os que têm dúvidas

*Arquivo Vatican Media
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

“Se for necessário combater as fake news, as pessoas devem sempre ser respeitadas, porque muitas vezes aderem inconscientemente a elas”. Essas foram palavras do Papa no encontro com os membros do Consórcio internacional da mídia católica “Catholic fact-checking”, nesta sexta-feira (28), no Vaticano.

Na ocasião, o Papa Francisco convidou-os a refletir sobre o estilo dos comunicadores cristãos diante de certas questões relacionadas com a pandemia. Para isso, ele citou algumas expressões de São Paulo VI presentes na Mensagem para o Dia das Comunicações Sociais de 1972, onde ele reconheceu o poder dos instrumentos de comunicação social sobre o comportamento e as escolhas das pessoas. O Papa Paulo VI dizia ainda que “a excelência da tarefa do informante consiste não apenas em destacar o que é imediatamente perceptível, mas também em buscar elementos de enquadramento e explicação sobre as causas e circunstâncias de cada fato que ele deve relatar”. Uma tarefa, portanto, que requer um senso de responsabilidade e rigor. Francisco continuou:

“O Papa Montini falava da comunicação e da informação em geral, mas suas palavras estão muito de acordo com a realidade se pensarmos em certas desinformações que circulam hoje na web. De fato, vocês se propõem em chamar a atenção às fake news e informações tendenciosas ou enganosas sobre as vacinas Covid-19, e o fazem colocando em rede com diferentes mídias católicas e envolvendo vários especialistas.”

Estar juntos pela verdade

Francisco lembrou que o objetivo do Consórcio é “estar juntos pela verdade”. Estar juntos, o trabalho em rede, disse, é fundamental no campo da informação e, em um tempo de divisões, já é um testemunho. Hoje, além da pandemia, observou, a “infodemia” se espalhou, ou seja, “a distorção da realidade baseada no medo, que na sociedade global faz ecos e comentários sobre notícias falsificadas ou mesmo inventadas”. A multiplicação de informações e a circulação dos chamados pareceres científicos também podem gerar confusão. É necessário, continuou o Papa, citando o que ele já havia dito em um discurso em outubro de 2021, “fazer aliança com a pesquisa científica sobre doenças, que progride e nos permite combater melhor”, considerando sempre que o conhecimento deve ser compartilhado.

Isto também se aplica às vacinas, recordou o Papa: “Há uma necessidade urgente de ajudar os países que têm menos, mas isto deve ser feito com planos a longo prazo, não apenas motivados pela pressa das nações ricas em serem mais seguras. Os remédios devem ser distribuídos com dignidade, e não como esmolas de piedade. Para fazer um bem real, é preciso promover a ciência e sua aplicação integral. Portanto, estar corretamente informado, ser ajudado a entender com base em dados científicos e não em fake news, é um direito humano.”

A palavra “para”

A segunda palavra que o Papa Francisco enfatizou é para, uma palavra pequena, mas cheia de significado: os cristãos, comentou, são contra as mentiras, mas sempre em prol das pessoas. Não devemos esquecer a “distinção entre as notícias e as pessoas”. Se for necessário combater as fake news, as pessoas devem sempre ser respeitadas porque muitas vezes aderem inconscientemente a elas. E o Papa afirmou ainda:

“O comunicador cristão faz seu o estilo evangélico, constrói pontes, é um artífice da paz também e sobretudo na busca da verdade. Sua abordagem não é de oposição às pessoas, ele não assume atitudes de superioridade, ele não simplifica a realidade, para não cair em um fideísmo do estilo científico. Na verdade, a própria ciência é uma contínua aproximação à resolução dos problemas. A realidade é sempre mais complexa do que pensamos, e devemos respeitar as dúvidas, ansiedades e perguntas das pessoas, tentando acompanhá-las sem jamais tratá-las com superioridade”.

O Papa Francisco sublinhou, mais uma vez, o dever como cristãos de fazer todo o possível para “evitar a lógica da contraposição”, sempre tentando aproximar e acompanhar o percurso das pessoas. “Tentemos trabalhar pela informação correta e verdadeira sobre a Covid-19 e sobre as vacinas”, afirmou, “mas sem criar muros, sem criar isolamentos”.

Verdade

A terceira palavra que Francisco prendeu em consideração é verdade, que deve ser sempre procurada e respeitada pelos comunicadores. O Papa advertiu a este respeito: “A busca da verdade não pode ser levada a uma perspectiva comercial, aos interesses dos poderosos, aos grandes interesses econômicos. Ficar juntos pela verdade significa também buscar um antídoto para algoritmos destinados a maximizar a rentabilidade comercial, significa promover uma sociedade informada, justa, saudável e sustentável. Sem uma correção ética, estes instrumentos geram ambientes de extremismo e levam as pessoas a uma radicalização perigosa”.

A verdade para o cristão, continuou o Papa, não se trata apenas de coisas individuais, mas de toda a existência e também inclui significados relacionais como “apoio, solidez, confiança”. E o único “verdadeiramente confiável e digno de confiança, com quem se pode contar, que é ‘verdadeiro’, é o Deus vivo”. Jesus disse de si mesmo: “Eu sou a verdade”. E concluiu indicando novamente um estilo preciso de comunicação: “Trabalhar ao serviço da verdade significa, portanto, buscar o que favorece a comunhão e promove o bem de todos, não o que isola, divide e se opõe.”

*Fonte: Site do Vatican News

Veja Também