O Papa: ser missionário, ser apostólico é uma dimensão vital para a Igreja

"O seu zelo apostólico não começa num lugar novo, puro e ideal, mas lá onde vive, com as pessoas que conhece", disse Francisco/FOot: Arquivo Canção Nova
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

O Papa Francisco iniciou um novo ciclo de catequeses na Audiência Geral, desta quarta-feira (11), dedicado a um tema urgente e decisivo para a vida cristã: a paixão pela evangelização, ou seja, o zelo apostólico.

Segundo o Pontífice, “trata-se de uma dimensão vital para a Igreja: com efeito, a comunidade dos discípulos de Jesus nasce apostólica, missionária, não proselitista e isso desde o início tivemos que distinguir”. “Ser missionário, ser apostólico, evangelizar não é o mesmo que fazer proselitismo, não tem nada a ver uma coisa com a outra. É uma dimensão vital para a Igreja”, sublinhou Francisco.

Sem zelo apostólico, a fé esmorece

O Espírito Santo plasma a Igreja em saída “a fim de que não permaneça fechada em si mesma, mas seja extrovertida, testemunha contagiosa de Jesus, destinada a irradiar a sua luz até aos extremos confins da terra”.

Contudo, pode acontecer que o ardor apostólico, o desejo de alcançar os outros com o bom anúncio do Evangelho, diminua. Quando a vida cristã perde de vista o horizonte do anúncio, adoece: fecha-se em si mesma, torna-se autorreferencial, atrofia-se. Sem zelo apostólico, a fé esmorece. Ao contrário, a missão é o oxigênio da vida cristã: a tonifica e a purifica.

A seguir, Francisco iniciou o caminho de redescoberta da paixão evangelizadora, começando das Escrituras e do ensinamento da Igreja, para haurir das fontes o zelo apostólico.

No episódio evangélico do chamado do apóstolo Mateus, tudo começa com Jesus, que “vê” – diz o texto – «um homem». Poucos viam Mateus como era: conheciam-no como aquele que estava «sentado no banco dos impostos». Era cobrador de impostos: ou seja, alguém que cobrava os tributos em nome do império romano, que ocupava a Palestina. Em síntese, era um colaboracionista, um traidor do povo. Podemos imaginar o desprezo que o povo sentia por ele: era um “publicano”.

Jesus vai à pessoa, ao coração

“Mas, aos olhos de Jesus”, frisou o Papa, “Mateus é um homem, com as suas misérias e a sua grandeza. Jesus não se limita aos adjetivos, Jesus sempre procura o substantivo. ‘Este é um pecador, este é um tal…’ são adjetivos”:

Jesus vai à pessoa, ao coração, esta é uma pessoa, este é um homem, esta é uma mulher, Jesus vai à substância, ao substantivo, nunca ao adjetivo, deixa passar os adjetivos”. E enquanto entre Mateus e o seu povo há distância, Jesus aproxima-se dele, porque cada homem é amado por Deus. Este olhar de Jesus que é belíssimo, que vê o outro, quem quer que seja, como destinatário de amor, é o início da paixão evangelizadora. Tudo começa a partir deste olhar, que aprendemos com Jesus

Movimento e meta

Portanto, tudo começa pelo olhar de Jesus. A isto segue-se a – segunda passagem – um movimento. Mateus estava sentado no banco dos impostos; Jesus disse-lhe: «Segue-me!». E ele «se levantou e o seguiu». O texto diz: “levantou-se”. “Por que este detalhe é tão importante? Porque naquela época quem estava sentado tinha autoridade sobre os outros“, respondeu o Papa. “Em síntese, quem estava sentado tinha poder. A primeira coisa que Jesus faz é separar Mateus do poder: do estar sentado para receber os outros, o coloca em movimento rumo aos outros; o faz deixar uma posição de supremacia para o colocar no mesmo nível dos irmãos e para lhe abrir os horizontes do serviço. É isto que Cristo faz, e isto é fundamental para os cristãos”, sublinhou Francisco.

Um olhar, um movimento e, no final, uma meta. Jesus vai até a casa de Mateus e ali,  Mateus prepara-lhe «um grande banquete», no qual «participa uma grande multidão de publicanos». “Mateus regressa ao seu ambiente, mas volta mudado e com Jesus”.

A Igreja cresce por atração

Segundo o Papa, “o seu zelo apostólico não começa num lugar novo, puro e ideal, mas lá onde vive, com as pessoas que conhece. Eis a mensagem para nós: não devemos esperar ser perfeitos e ter percorrido um longo caminho atrás de Jesus para dar testemunho d’Ele; o nosso anúncio começa hoje, lá onde vivemos. E não começa procurando convencer os outros, mas testemunhando todos os dias a beleza do Amor que olhou para nós e nos fez levantar”.

Francisco recordou uma expressão de Bento XVI que dizia a propósito: “A Igreja não faz proselitismo. Ao contrário, ela desenvolve-se por atração”. E contou que num hospital da Argentina chegou um grupo de religiosas coreanas que não sabia uma palavra de espanhol, mas logo os doentes se sentiram amados porque com seus gestos e olhares tinham comunicado Jesus. “Esta é a atração, contrária ao proselitismo”, concluiu o Papa, afirmando que “este testemunho atraente e jubiloso é a meta para a qual Jesus nos conduz com o seu olhar de amor e com o movimento em saída que o seu Espírito suscita no nosso coração”.

Fonte: Site Vatican News

Veja Também