“O Papa Francisco é a esperança dos povos da Amazônia”, afirmam bispos em visita ad Limina

*Bispos dos regionais Norte 2 e 3 da CNBB encontram o Papa (Vatican Media)
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Três horas de colóquio “fraterno e profundo”, de um “irmão entre irmãos”: assim foi a audiência que o Papa Francisco concedeu na manhã dessa segunda-feira (27) aos bispos dos Regionais Norte 2 (Pará e Amapá) e Norte 3 (Tocartins) da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), que estão no Vaticano para a visita Ad Limina Apostolorum.

De acordo com Dom Bernardo Bahlmann, bispo de Óbidos (PA), presidente do Regional Norte 2, “o Papa nos acolheu com o coração aberto, muito fraterno. E durante o encontro, que demorou três horas, nós sentimos realmente o carinho e a preocupação que ele tem para com a Amazônia”. Dom Bernardo relatou um clima familiar, partilhando ideias, experiências e situações, em que foram tocados vários aspectos da vida da Igreja na Amazônia. “Podemos dizer que ele tem no coração a Amazônia.”

Elogio ao Barco Hospital Papa Francisco

O Pontífice citou o “Barco Hospital Papa Francisco” como exemplo de evangelização, pois é o anúncio de Jesus Cristo. Por fim, um incentivo para que a Igreja se inculture cada vez mais na Amazônia, reconhecendo a preciosidade da cultura local.

Na mesma linha, o bispo prelado de Marajó (PA), Dom Evaristo Pascoal Spengler, presidente da Rede Eclesial Pan-Amazônia (Repam), afirmou: “Agradecemos seu profundo amor pela Amazônia e sua defesa apaixonada pelos povos tradicionais, cultura, floresta, rios e tudo o que envolve o bioma.” Dom Evaristo afirma que os bispos demonstraram sua disposição em concretizar os sonhos expressos pelo Papa na exortação pós-sinodal “Querida Amazonia”, em busca de novos caminhos para a sociedade e para a Igreja.

“Tivemos que relatar ao Papa os ataques cada vez mais sistemáticos, de destruição que vem sofrendo a Amazônia, os seus povos, territórios e lideranças. O território amazônico sangra e morre diante dos nossos olhos: invasões a territórios indígenas, quilombolas e ribeirinhas por mineradoras, fazendeiros, criadores de gado, pelos madeireiros e pelo agronegócio.”

Foi citado o recente encontro de Santarém, em que os bispos perceberam que a Amazônia chegou ao seu limite. “Ela já não suporta mais tanta violência.” Por isso, pedem uma trégua para a Amazônia, que cessem as invasões e parem de matar os índios e as lideranças que os defendem. “Pedimos ao Papa, com sua indiscutível autoridade, que apoie uma trégua para a Amazônia, um verdadeiro tempo sabático de reflexão para repensar a presença e a convivência na Amazônia.”

Segundo Dom Evaristo, quando o Papa escutou sobre as mortes na Amazônia, “fechou os olhos numa expressão de dor e de sofrimento e em seguida perguntou: Que podemos fazer? Ele está muito sensibilizado com esta realidade de destruição na Amazônia. O Papa Francisco é a esperança dos povos da Amazônia. O nosso povo merece um tempo de paz, de segurança, um verdadeiro tempo de graça do Senhor”.

*Fonte: Site do Vatican News

Veja Também