“O mundo necessita de esperança”, afirma Papa Francisco

*Foto: Vatican Media
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Dando prosseguimento ao ciclo de catequeses sobre vícios e virtudes, a esperança foi o tema da catequese do Papa Francisco na Audiência Geral desta quarta-feira (8), realizada na Praça São Pedro.
Esta virtude teologal é a resposta às perguntas sobre o sentido último do homem. Se o caminho da vida não tem sentido, se no início e no fim há nada, então nos perguntamos por que deveríamos caminhar: é aqui que surge o desespero do homem, o sentimento da inutilidade de tudo, explicou o Pontífice. Se faltar esperança, todas as outras virtudes correm o risco de desmoronar e acabar em cinzas.

Já o cristão tem esperança não por mérito próprio. Se ele acredita no futuro é porque Cristo morreu e ressuscitou e nos deu o seu Espírito. Neste sentido, se diz que a esperança é uma virtude teologal, pois não emana de nós, mas é um dom que vem diretamente de Deus. “Se acreditamos na ressurreição de Cristo, então sabemos com certeza que nenhuma derrota e nenhuma morte duram para sempre.”

Todavia, a esperança é uma virtude contra a qual muitas vezes se peca, quando, por exemplo, se desanima diante dos próprios pecados, esquecendo que Deus é misericordioso e maior que o nosso coração. “Deus perdoa tudo e sempre, recordou Francisco”. “Peca-se contra a esperança quando o outono apaga a primavera dentro de nós.”

O mundo necessita de esperança

Para Francisco, o mundo de hoje tem grande necessidade desta virtude cristã: “O mundo necessita de esperança”. Tanto quanto precisa de paciência, virtude que caminha em estreito contato com a esperança. “Os homens pacientes são tecelões do bem”, afirmou. Desejam obstinadamente a paz e, mesmo que alguns tenham pressa e queiram tudo imediatamente, a paciência tem a capacidade da espera.

E ainda, a esperança é a virtude de quem tem o coração jovem; e a idade não importa aqui. Porque também há idosos com os olhos cheios de luz, que vivem uma tensão permanente em relação ao futuro. O Pontífice então concluiu: “Irmãos e irmãs, vamos em frente e peçamos a graça de ter esperança, a esperança com a paciência. Sempre olhar para aquele encontro definitivo; sempre olhar para o Senhor, que sempre está próximo de nós. E que jamais, jamais a morte será vitoriosa. Vamos em frente e peçamos ao Senhor que nos dê esta grande virtude da esperança, acompanhada da paciência.”

Francisco: invoquemos a intercessão de Maria pela paz no mundo

O Papa Francisco, em suas saudações aos peregrinos, no final da Audiência Geral, exortou todos a valorizarem a oração do Santo Rosário neste mês de maio, e recordou aos fiéis, em diversos idiomas, a importância de invocar a intercessão de Nossa Senhora: “Animo-vos a procurar sempre o olhar de Nossa Senhora que conforta todos aqueles que estão na provação e mantém aberto o horizonte da esperança.”

Ao recordar que a Igreja, em 8 de maio, eleva a Nossa Senhora de Pompeia, a chamada “Súplica” à Virgem do Rosário, Francisco convidou “todos a invocar a intercessão de Maria, para que o Senhor conceda paz ao mundo inteiro”, e voltou, especialmente, seu pensamento “para a querida e martirizada Ucrânia, para a Palestina, Israel e Mianmar”. Em seu apelo, o Santo Padre reforçou o pedido de paz para os territórios dilacerados pela morte, violência e perseguição.

Na Ucrânia, os ataques russos continuam incessantemente, os últimos atingiram usinas de produção e distribuição de energia em seis regiões. No Oriente Médio, as mortes continuam a aumentar em Gaza e Rafah. Já em Mianmar, o país enfrenta uma prolongada crise política, com confrontos e violência entre as tropas do governo militar e grupos étnicos armados, com milhões de pessoas deslocadas e enormes danos causados por desastres naturais, aos quais se soma a dramática situação dos Rohingya.

*Fonte: Site do Vatican News

Veja Também