Na expectativa da Ordenação Diaconal, seminaristas Rafael e Robert são admitidos às Ordens Sacras

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

No próximo domingo, 31 de outubro, em meio à cerimônia de abertura da segunda fase do II Sínodo Arquidiocesano, a Igreja Particular de Juiz de Fora também estará em festa por outro motivo: serão ordenados diáconos transitórios dois jovens seminaristas cujas trajetórias vocacionais foram trilhadas em nosso território e amadurecidas dentro do Seminário Santo Antônio.

Rafael Coelho do Nascimento e Robert César Teixeira optaram pelo versículo “Ungiu-nos, selou-nos e pôs em nosso coração o Espírito como penhor” (2Cor 1,22) como lema da cerimônia. “A escolha abarca um duplo olhar: um olhar para trás, porque temos a oportunidade de olhar para a nossa história; no momento do Batismo o Senhor nos unge, coloca o Seu selo e nos dá o Espírito Santo como penhor. Num dado momento da nossa história, Ele nos chamou a viver mais profundamente a vontade d’Ele por meio do ministério ordenado. E o segundo é o olhar para frente, porque o lema direciona justamente àquilo que nós queremos para o nosso ministério. Nós nos colocamos a serviço, disponíveis e atentos à vontade de Deus, àquilo que o Espirito Santo conduz”, explicou Robert.

*Seminarista Robert Teixeira

O lema da ordenação também manifesta parte das raízes dos seminaristas, marcadas fortemente pela Renovação Carismática Católica (RCC). “Nossa vocação foi cultivada em nossas famílias, comunidades de fé e, de modo especial, teve um marco maior quando fizemos a experiência com o Espírito Santo por meio dos grupos de oração da RCC. Somos gratos a Deus por este mover do Espírito que tem ajudado a tantos e tantas a se encontrarem com Cristo e tem sido celeiro de vocações para a Igreja. Pela graça do Batismo, como no nosso lema está bem claro, nós fomos ungidos e selados pelo Pai, o qual infundiu Jesus em nosso coração”, completou Rafael.

Ambos os jovens ressaltam o atributo do serviço atrelado ao ministério que receberão. “Seremos ordenados diáconos transitórios tendo em vista a Ordenação Presbiteral, mas é importante destacar que a diaconia permanece: o servir a Deus, à Igreja, aos irmãos, especialmente aos que mais necessitam”, apontou Robert. Para Rafael, “a diaconia é muito mais do que um tempo de ministério; ela precisa ser o nosso estilo de vida, algo que fica marcado em nosso coração e em nossa existência, que nos faz estar sempre em saída de si mesmo para ir ao encontro para servir, para ajudar, para se ofertar pela salvação das almas e ajudar os mais necessitados.”

Natural de Juiz de Fora, nascido e criado na Paróquia Nossa Senhora de Fátima do Bairro Barbosa Lage, Robert Teixeira afirma que sua vocação começou a ser semeada dentro de sua própria casa, através do testemunho e vivência de fé dos pais. “O amor a Deus e à Igreja eu e minha irmã aprendemos dentro de casa, não pelas palavras dos meus pais, mas pelo testemunho que eles nos davam. Ainda criança eu comecei a cantar e tocar nas missas, e a música foi a porta de entrada para o agir de Deus”, revelou.

*Seminarista Rafael Nascimento

Seu colega de ordenação, Rafael Nascimento, é oriundo do município de Coronel Pacheco (MG), sendo sua paróquia de origem dedicada a São Vicente de Paulo. A educação na fé foi ensinada principalmente por seus avós e seus passos dentro da Igreja, acompanhados por sua mãe. Antes de ingressar do Seminário iniciou o curso de Jornalismo, quando viveu momentos de crise. “Lá no fundo do meu coração, mesmo que fugisse, rejeitasse, eu sentia um chamado diferenciado. Até que eu não consegui mais. Decidi fazer os encontros vocacionais, primeiramente dos crúzios, da Ordem de Santa Cruz, mas ali não me identifiquei com o carisma, mesmo sendo muito bem acolhido. Posteriormente eu ingressei no Seminário, fazendo o Dives [Discernimento Vocacional Específico]. Poucos sabiam desse interesse. Eu deixava meio no sigilo, porque não queria que ninguém criasse expectativa.”

Quase oito anos depois de ingressarem no Seminário Arquidiocesano Santo Antônio, Rafael e Robert receberão o primeiro grau da Ordem no mesmo dia em que a Arquidiocese de Juiz de Fora abrirá oficialmente a segunda fase de seu II Sínodo Arquidiocesano. “É algo muito significativo, porque o diácono é exatamente este que tem o olhar voltado para os mais pobres, colocando-se a serviço, bem como o anúncio da Palavra. E é exatamente essa a proposta do nosso Sínodo, quando convoca a proclamar o evangelho pelas ruas e sobre os telhados, ao mesmo tempo agindo com misericórdia em favor dos que mais necessitam”, apontou Robert. “Aprendi ao longo dos anos que a sinodalidade é a marca da vivência da Igreja, uma Igreja em comunhão, em diálogo, em abertura às inspirações do Espírito para anunciar a Boa Nova do Reino. Ser ordenado neste contexto sinodal é participar de uma igreja diaconal, a exemplo de Cristo, preocupada com os pobres e com a renovação pastoral, a fim de que a evangelização continue”, refletiu Rafael.

Entre os dias 20 e 22 de outubro, os seminaristas participaram de retiro espiritual no Seminário Seráfico Santo Antônio, em Santos Dumont (MG). O pregador, Frei Carlos Roberto de Oliveira Charles, OFM Conv., desenvolveu as reflexões a partir do lema de ordenação escolhido pelos jovens, apontando a temática “Jesus, o diácono do Pai na força do Espírito Santo”.

Admissão às Ordens

Na manhã dessa quinta-feira (28), os seminaristas Rafael Nascimento e Robert Teixeira deram mais um passo rumo à consagração definitiva. Tendo em vista a Ordenação Diaconal marcada para o próximo domingo, 31 de outubro, os jovens foram admitidos às Ordens Sacras durante Celebração Eucarística na Capela do Seminário Arquidiocesano Santo Antônio.

A Missa, precedida de Oração das Laudes, foi presidida pelo Arcebispo Metropolitano, Dom Gil Antônio Moreira, e concelebrada pelo Reitor do Seminário, Monsenhor Luiz Carlos de Paula, e por outros padres formadores. Na ocasião, os seminaristas fizeram o juramento de fidelidade e a profissão de fé diante do Arcebispo. “A Igreja pede que, antes que as pessoas assumam a responsabilidade de entregarem a sua vida perpetuamente, assumindo um cargo especial ou no sacramento da Ordem, elas sejam admitidas pela autoridade diocesana, mediante o testemunho dos formadores e de outras pessoas. É um cuidado que a Igreja tem tanto para dar responsabilidade séria a esses cargos quanto para celebrar o dom de Deus que continua chamando, como Jesus chamou os apóstolos, novas pessoas para o Seu serviço”, apontou Dom Gil.

Rafael falou sobre o rito de admissão às Ordens Sacras. “Manifesta o nosso desejo de entrega, de oferta ao nosso Deus, através da Igreja. O sentimento é de alegria, de responsabilidade, de compromisso, contando com a graça de Deus, que nos auxilia nesta missão, nesses passos que nós estamos dando a fim de que façamos a vontade d’Ele única e exclusivamente.”

O Reitor do Seminário Santo Antônio contou que o processo de formação dos seminaristas aconteceu de forma muito bonita, sendo ambos muito empenhados em todas as dimensões. “Tudo isso é motivo de alegria para o nosso Seminário, de louvor, de agradecimento a Deus, que chama, que acompanha, que forma o coração daquele que diz ‘sim’. Peço a Deus que os abençoe, os proteja, para que sejam bons servidores do Senhor.”

Clique aqui e confira outras fotos da cerimônia.

Veja Também