Na Audiência Geral, a homenagem de Francisco a Bento XVI, “mestre de catequese”

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Uma homenagem ao “grande mestre de catequese”: antes de se dirigir aos fiéis e peregrinos presentes na Sala Paulo VI para a Audiência Geral, o Papa Francisco voltou seu pensamento ao Papa emérito:

“Antes de começar esta catequese, gostaria que nos uníssemos a quantos, aqui ao lado, prestam homenagem a Bento XVI e dirigir o meu pensamento a ele, que foi um grande mestre de catequese. O seu pensamento perspicaz e gentil não foi autorreferencial, mas eclesial, pois sempre quis acompanhar-nos ao encontro com Jesus. Jesus, o Crucificado Ressuscitado, o Vivente e o Senhor, foi a meta para a qual o Papa Bento nos conduziu, levando-nos pela mão. Que ele nos ajude a redescobrir em Cristo a alegria de acreditar e a esperança de viver.”

Na primeira catequese do ano de 2023, Francisco encerrou o ciclo sobre o discernimento completando o discurso sobre as ajudas que podem e devem sustentá-lo. Uma delas é o acompanhamento espiritual, importante sobretudo para o conhecimento de si que é uma condição indispensável para boas escolhas. “Olhar-se no espelho sozinho nem sempre ajuda, porque alguém pode fantasiar a imagem. Ao invés, olhar-se no espelho com a ajuda de outra pessoa, se verdadeira, isto ajuda.”

Em primeiro lugar, é importante dar-se a conhecer, sem ter medo de compartilhar os aspectos mais frágeis. O orientador não deve decidir por nós, mas nos acompanhar no caminho da vida. “A fragilidade é, na realidade, a nossa verdadeira riqueza”, disse Francisco, que devemos aprender a respeitar e a aceitar; é o que nos torna humanos.

Se for dócil ao Espírito Santo, o acompanhamento espiritual ajuda a desmascarar equívocos até graves na consideração de nós mesmos e na relação com o Senhor.

Narrar diante de outra pessoa o que vivemos ou o que procuramos, em primeiro lugar, ajuda a fazer clareza em nós próprios, trazendo à luz os numerosos pensamentos que habitam em nós.

A pessoa que acompanha não se substitui ao Senhor, não faz o trabalho no lugar da pessoa acompanhada, mas caminha ao seu lado, encoraja-a a ler o que se move no seu coração, o lugar por excelência onde o Senhor fala.

Sempre acompanhado, jamais só

O Papa diz preferir o termo “acompanhador espiritual” e não “diretor espiritual” e a propósito de não caminhar só, repetiu um dito africano, que diz “Se quiser chegar depressa, vá sozinho. Se quiser chegar seguro, vá com os outros”.

“Vá acompanhado, com o seu povo. É importante. Na vida espiritual, é melhor fazer-se acompanhar por alguém que conheça nossas coisas e nos ajude. E isto é o acompanhamento espiritual.”

Outro aspecto importante do acompanhamento espiritual é estar inserido numa comunidade, ou seja, o aspecto da filiação e da fraternidade espiritual, pois “não vamos ao encontro do Senhor sozinhos”. “Não estamos sós, somos gente de um povo, de uma nação, de uma cidade que caminha, de uma igreja, de uma paróquia, deste grupo… uma comunidade em caminho.”

Nossa Senhora, mestra de discernimento

Francisco propôs como “mestra de discernimento” a Virgem Maria, que “fala pouco, ouve muito e conserva no coração”. E contou algo “curioso” que ouviu de uma senhora “muito simples”, que não tinha estudado teologia.

Ela perguntou a Francisco se ele conhecia o gesto que faz Nossa Senhora. Ao não entender, ela respondeu apontandoNossa Senhora aponta sempre para Jesus. “Isto é belo: Nossa Senhora não toma nada para si, aponta para Jesus.”

O discernimento é uma arte

“Caros irmãos e irmãs, o discernimento é uma arte, uma arte que se pode aprender e que tem as suas próprias regras. Se for bem aprendido, ele permite viver a experiência espiritual de forma cada vez mais bonita e ordenada. O discernimento é sobretudo um dom de Deus, que deve ser sempre pedido, sem jamais presumir ser perito e autossuficiente.”

O Papa conclui com uma exortação repetida várias vezes no Evangelho: Não tenha medo! “Se confiarmos na Sua palavra, desempenharemos bem o jogo da vida, e poderemos ajudar outros.”

Fonte: Site Vatican News

Veja Também