Missa do 4º Domingo do Tempo Comum recorda 13 anos da nomeação de Dom Gil como Arcebispo de Juiz de Fora

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Nesse dia 30 de janeiro, o Arcebispo Metropolitano, Dom Gil Antônio Moreira, presidiu Santa Missa do 4º Domingo do Tempo Comum na Catedral de Juiz de Fora. A Eucaristia foi concelebrada pelo Vigário Paroquial, Padre Danilo Celso de Castro, e contou com o auxílio do Diácono Antônio Valentino.

Em entrevista, Dom Gil comentou a principal mensagem das leituras do dia. “O evangelho de hoje continua o do domingo passado. Apresenta Jesus em Nazaré, na sinagoga, mostrando a sua missão de profeta, mas não de um profeta comum; o profetismo de Jesus é diferente daquele do Antigo Testamento no sentido que é muito mais perfeito. E essa perfeição é justamente aquela que está na segunda leitura: se eu fizesse tudo muito bem feito, mas não tivesse caridade, não tivesse amor, não valeria nada. Por isso, Jesus mostra para todos que é preciso trabalhar para o bem comum, evitar o mal, praticar o bem, denunciar o erro, anunciar a verdade, mas sempre dentro do prisma da caridade.”

O Arcebispo também falou sobre São Lucas, autor do evangelho que será refletido durante todo o ano, além dos Atos dos Apóstolos. “Ele era discípulo dos apóstolos, mas era um grande pesquisador, um acadêmico, um médico, e então foi atrás das testemunhas oculares, como diz no prólogo, para compor o seu evangelho. Tem 24 capítulos. Os quatro evangelhos tratam do mesmo assunto, mas cada um com enfoque especial. São Lucas tem um enfoque muito mais acadêmico; a sua preocupação não é uma tese, mas uma catequese: mostrar para aqueles de sua época e os pósteros quem foi Jesus, o que Ele veio fazer na Terra e o que nós devemos fazer para corresponder à sua pregação”, apontou.

A Missa deste domingo também marcou os 13 anos da nomeação de Dom Gil como Arcebispo de Juiz de Fora, celebrados no último dia 28. O Pastor recordou com carinho de quando teve a notícia: era bispo da Diocese de Jundiaí (SP), em 2009, e estava de férias em sua terra natal, Itapacerica (MG), quando recebeu um telefonema do então Núncio Apostólico, Dom Lorenzo Baldisseri, comunicando que o Papa Bento XVI o havia promovido a arcebispo, transferindo-o para terras mineiras. “Imediatamente eu aceitei como vindo de Deus – minha vida é para Deus, Ele me leva para onde quiser e onde a Igreja mais precisar. Dei a resposta positiva e ele mesmo, o Núncio Apostólico, marcou o dia 28 de janeiro, Dia de São Tomás de Aquino, para que o papa publicasse essa transferência”, recordou.

“Depois de 13 anos me sinto muito feliz; sou muito agradecido a Nosso Senhor por tudo o que Ele me deu na minha vida de padre e de bispo. Gosto muito daqui. Sou cidadão honorário de Juiz de Fora, já virei juiz-forano, é uma das minhas terras e me sinto muito bem nesta Igreja. Um povo católico, muito religioso, um povo muito unido para fazer aquilo que Deus quer, anunciado pelo bispo e pelos padres. Sinto-me feliz também com meu clero. Por isso eu quero agradecer aos padres a sua colaboração, a sua unidade, a sua sinodalidade nesta caminhada da Arquidiocese”, finalizou Dom Gil.

Veja Também