Manifestações de apoio e solidariedade ao Papa Francisco

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

O arcebispo de Brasília e presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), Cardeal Sergio da Rocha, enviou ao Papa Francisco uma carta na qual manifesta ao Santo Padre apoio, comunhão, solidariedade e orações. Na missiva, o presidente da CNBB reafirma o compromisso do episcopado e da Igreja no Brasil de estar sempre unidos ao papa na sua missão.

Dois regionais da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) também enviaram recentemente a Francisco manifestações de solidariedade por conta dos ataques que ele vem recebendo do arcebispo Carlo Maria Viganò, ex-núncio apostólico nos EUA. Viganó acusa o papa de ter acobertado o caso do cardeal Theodore McCarrick.

Na carta que enviaram ao Vaticano, os bispos do Regional Nordeste 3 da CNBB manifestam a unidade e a solidariedade ao pontífice. “Temos consciência de que a Igreja vive um momento particularmente doloroso e difícil. Se isso aflige o nosso coração de pastores de Igrejas Particulares, imaginamos quanto o faz sofrer, diante da responsabilidade que recebeu de Jesus Cristo como continuador da missão de Pedro, de confirmar todos os seus irmãos na fé”, diz um trecho da carta.

Em referência à Carta ao Povo de Deus, de 20 de agosto, a presidência do Regional Sul 1 da CNBB expressa, sobretudo, o compromisso com a luta do Sumo Pontífice em reconhecer e condenar, com dor e vergonha, as atrocidades cometidas por pessoas consagradas, clérigos, e inclusive por todos aqueles que tinham a missão de assistir e cuidar dos mais vulneráveis.

Reunidos no III Encontro da Igreja Católica na Amazônia, em Manaus, no final do mês de agosto, os 58 bispos presentes escreveram uma carta endereçada ao Papa Francisco, em que manifestam comunhão com o pontífice. “Laudato si’, mi Signore”, afirmam os religiosos no documento, assinado pelo Cardeal Cláudio Hummes, presidente da Comissão Especial para Amazônia/CEA, da CNBB, e presidente da Rede Eclesial Pan-Amazônica/REPAM.

Outras manifestações de apoio também vieram a público, como a Carta Aberta da Comissão Regional de Presbíteros do Leste 2, publicada no site do regional; a carta de Dom Pedro Carlos Cipollini, bispo diocesano de Santo André, e a campanha para redes sociais que a Signis Brasil Jovens – Associação Católica de Comunicação lançou esta semana.

O material da campanha afirma que está em curso a disseminação de falsas notícias com a intenção de desestabilizar o pontificado do Papa. “O Papa Francisco atua sem medir esforços na construção de uma cultura da paz, justiça e solidariedade”, diz o texto. A campanha, que atua com a hashtag #FranciscoEstouAqui, pretende inundar os espaços digitais com uma mensagem alegre, criativa e orante de apoio e carinho ao Santo Padre.

*Fonte: Site da CNBB

Veja Também