II Sínodo Arquidiocesano em ação 

0

Com muita alegria, com muita gratidão a Deus, demos início às atividades do II Sínodo Arquidiocesano de Juiz de Fora. No último sábado, 8 de fevereiro, celebramos a I Sessão Sinodal, reunindo todo o clero, religiosos (as) e representação dos milhares de leigos e leigas de nossas paroquias, incluindo aqueles organizados em associações, movimentos e comunidades, alguns vivendo a nova realidade de consagrados no mundo. Afinal, estavam representadas todas as forças vivas de nossa Igreja Particular.

Sínodo significa “Caminhar juntos”, andar humilde e alegremente unidos, como verdadeiros irmãos. Só assim, teremos certeza da presença de Cristo em nosso meio, só assim teremos a certeza de estar na estrada certa, só assim valerá à pena trabalhar e viver pela Igreja e na Igreja. Papa Francisco, na comemoração do cinquentenário da instituição do Sínodo dos Bispos, após o Concilio Vaticano II, aos 17 de outubro de 2015, afirmou: “O caminho da sinodalidade é o caminho que Deus espera da Igreja do Terceiro Milênio”.

É mais que conhecida a expressão do Sucessor de Pedro no sentido de construir a “Igreja em saída”, dando-nos a ideia de movimento, de caminhada para dentro e para fora de si mesma. É o Espírito nos impulsionando para a missão, como temos cantado no Hino Sinodal: “Dizer sinodalidade é dizer fraternidade e comunhão; conhecer as direções que o Espírito nos dá. ”

O que nos impele a viver em sinodalidade é o próprio Cristo, centro de nossa vida comunitária e pessoal. Jesus é tudo para nós! A Igreja existe para propagar esta verdade. Sem união plena, amorosa a Ele, nada terá sentido em nossa vida arquidiocesana e em nenhuma estruturação, por mais perfeita que fosse em suas técnicas e em seus instrumentos. Jesus é o centro, é a luz, é o sentido de nossas vidas, de nossas vocações, de nossos estudos, de nossas organizações. É força em nossas angústias e segurança em nossas carências. É superação de nossas crises e vitória em nossas lutas. Ele é tudo para nós, pois é o nosso Salvador, nosso Mestre, nosso guia, condutor nos caminhos deste mundo. Ele nos ensina que a união é indispensável para que Ele ande conosco. Assim, certa vez, afirmou: “Onde dois ou mais estiverem unidos em meu nome, eu estarei no meio deles” (Mt 18,20).

Contemplando a vida de Jesus Cristo, vemos que não só olhou para os pobres, mas assumiu a vida de simplicidade semelhante à deles. Nasceu numa gruta, encarnou-se na família simples de Nazaré, e chegou a afirmar: “as raposas tem suas tocas e os pássaros tem seus ninhos, mas o Filho do Homem não tem onde reclinar a cabeça” (Mt 8,20).

Não há santidade sem oração e sem caridade. “O caminho que leva ao céu passa no coração do irmão” afirmava um santo bispo que conheci na juventude. É por isso que, reunindo-nos na I Sessão Sinodal, nesta rampa de lançamento das atividades em todo o território arquidiocesano, quisemos trazer para os momentos iniciais os nossos irmãos pobres que vivem nas ruas. Eles são assistidos por várias entidades católicas, além de outras, mas sobretudo pela Fundação Maria Mãe, com a Obra dos Pequeninos de Jesus na qual trabalham vários irmãos, entre eles, alguns Diáconos Permanentes. Quisemos trazê-los para que eles abençoem conosco as nossas atividades, vistam a camisa de nosso Sínodo para que sua situação de miséria fique sempre diante de nós, recordando-nos outra vez a palavra de Jesus: “tudo aquilo que fizerdes ao menor dos meus irmãos, é a mim que estareis fazendo” (Mt 25, 35).

Após termos já experiência de viver em espírito sinodal, tendo celebrado o I Sínodo há dez anos, e caminhado neste espírito com nossas revisões forânicas de dois em dois anos, já familiarizados com o método, teremos agora mais facilidade de construir o nosso II Sínodo, certos de que conquistaremos progressos espirituais e pastorais em nossa Igreja Particular juiz-forana. A beleza do restauro das pinturas das paredes e do teto, das abóbadas e da cúpula de nossa Catedral que vai ficando cada vez mais linda, graças a união de todos, seja sinal visível do crescimento de nossa igreja nos sentidos acima mencionados, enchendo de beleza e entusiasmos o coração do povo de Deus em marcha.

Não nos abatamos e nem sejamos submissos aos rigores das discórdias, pois quem separa e divide é o Maligno, pai da mentira, o enganador. Nós cremos em Cristo, e por isso caminharemos em espírito de união, formando, construindo uma igreja em sinodalidade, sempre e ada vez mais missionaria.

Com estas palavras convoco a toda a nossa Arquidiocese a entrarmos de cheio nas atividades sinodais abrindo e abençoando os portões do nosso II Sínodo Arquidiocesano. Deus nos abençoe a todos, pelas Mãos de Maria Santíssima, Nossa Senhora da Igreja em Saída, e de Santo Antônio nosso Padroeiro.

Dom Gil Antônio Moreira
Arcebispo Metropolitano de Juiz de Fora

Conteúdo Relacionado
X