Há sete anos, Papa visitava o Rio de Janeiro na JMJ 2013

*Papa Francisco durante visita ao Rio de Janeiro, em 2013 / Foto: Wesley Almeida - Canção Nova
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Sete anos atrás tinha início a viagem do Papa Francisco ao Rio de Janeiro, por ocasião da Jornada Mundial da Juventude (JMJ). Ela ficou marcada por inúmeros momentos: foi a primeira visita internacional do seu pontificado, a imagem do Pontífice preso no trânsito, as horas transcorridas no Santuário Nacional em Aparecida, a multidão de jovens na orla de Copacabana.

No dia 22 de julho, na cerimônia de boas-vindas no Palácio Guanabara, assim Francisco se apresentou à população: “Aprendi que para ter acesso ao Povo Brasileiro é preciso ingressar pelo portal do seu imenso coração; por isso permitam-me que nesta hora eu possa bater delicadamente a esta porta. Peço licença para entrar e transcorrer esta semana com vocês. Não tenho ouro nem prata, mas trago o que de mais precioso me foi dado: Jesus Cristo! Venho em seu Nome, para alimentar a chama de amor fraterno que arde em cada coração; e desejo que chegue a todos e a cada um a minha saudação: ‘A paz de Cristo esteja com vocês!’”

“Nesta hora, os braços do Papa se alargam para abraçar a inteira nação brasileira, na sua complexa riqueza humana, cultural e religiosa. Desde a Amazônia até os pampas, dos sertões até o Pantanal, dos vilarejos até as metrópoles, ninguém se sinta excluído do afeto do Papa. Depois de amanhã, se Deus quiser, tenho em mente recordar-lhes todos a Nossa Senhora Aparecida, invocando sua proteção materna sobre seus lares e famílias. Desde já a todos abençôo. Obrigado pelo acolhimento!”

Mais água no feijão

Na programação, estava prevista também a visita à comunidade de Varginha, “que hoje representa todos os bairros do Brasil”. Com os moradores, o Papa refletiu sobre a importância da cultura do acolhimento: “Sei bem que quando alguém que precisa comer bate na sua porta, vocês sempre dão um jeito de compartilhar a comida: como diz o ditado, sempre se pode “colocar mais água no feijão”! Se pode colocar mais água no feijão? … Sempre? … E vocês fazem isto com amor, mostrando que a verdadeira riqueza não está nas coisas, mas no coração!”

Para Francisco, o povo brasileiro pode dar para o mundo uma grande “lição de solidariedade”. “Queria lançar um apelo a todos os que possuem mais recursos, às autoridades públicas e a todas as pessoas de boa vontade comprometidas com a justiça social: Não se cansem de trabalhar por um mundo mais justo e mais solidário! Ninguém pode permanecer insensível às desigualdades que ainda existem no mundo!”

Relembre um dos momentos:

*Fontes: Sites do Vatican News e da Canção Nova

Veja Também