Há nove anos, “Anjos da Rua” atuam no apoio a pessoas em situação de vulnerabilidade social

Em 2016, por ocasião do Jubileu Extraordinário da Misericórdia, o Papa Francisco instituiu o Dia Mundial dos Pobres, a ser celebrado sempre no 33º Domingo do Tempo Comum. Em 2022, a data será lembrada no dia 13 de novembro, e o texto bíblico escolhido para motivar a reflexão deste ano foi “Jesus Cristo fez-Se pobre por vós” (cf. 2 Cor 8, 9).

O serviço prestado pela Igreja aos mais necessitados, contudo, não se limita a este dia. Já nas primeiras comunidades cristãs, como narra o livro dos Atos dos Apóstolos, havia a preocupação com o serviço aos mais pobres. E este cuidado permanece mais de dois mil anos depois, com a atuação de muitos grupos de leigas e leigos que, cotidianamente, prestam algum tipo de auxílio a famílias em situação de vulnerabilidade social e às pessoas em situação de rua.

Este é o caso do grupo “Anjos da Rua”, de Juiz de Fora. Uma vez por semana, geralmente às segundas-feiras, os voluntários passam pelas ruas da cidade com o propósito de ajudar quem mais precisa, entregando essencialmente refeições e, esporadicamente, itens diversificados, como kits de higiene pessoal e cobertores. “Além do mais importante: doamos atenção, respeito, minutos de conversa, apertos de mão e esperança”, conta a coordenadora do grupo, Lúcia Moreira.

Esta ação semanal ocorre há aproximadamente nove anos, graças ao comprometimento dos voluntários e à vontade de fazer o bem. “O grupo ‘Anjos’ tem como foco, em especial, pessoas em situação de rua, que enfrentam as mais diversas dificuldades, desde a falta de itens básicos até o desafio da reabilitação e retorno ao convívio social”, aponta Lúcia. Com o início da pandemia da Covid-19, os “Anjos da Rua” passaram a atender também as famílias em situação de vulnerabilidade social do município de Juiz de Fora e região. “Nos dedicamos diariamente para manter este sonho vivo, buscando ajudar cada vez mais a quem precisa, nos envolvendo em pequenas e grandes causas, sempre com o propósito maior de fazer o bem”, ressalta a coordenadora do grupo.

Segundo Lúcia Moreira, cerca de 50 pessoas, entre doadores, cozinheiras e voluntários da rua, estão envolvidas com o “Anjos da Rua”. “Hoje atuamos com vários tipos de voluntários, desde doadores a voluntários de ação. Atualmente temos também aqueles que se disponibilizam a ir no ponto principal de coleta [Bairro Bandeirantes], onde se faz o controle de entrada e saída de doações, além de manter o local organizado para melhor manuseio.”

O “voluntário ação” é aquele que se disponibiliza a participar do trabalho feito nas ruas, muitas vezes doando, além do tempo, seus próprios veículos para o transporte dos alimentos. De acordo com Lúcia, a finalidade é levar, também, um pouco de esperança ao próximo diante do momento de dificuldade. “Levando, além da refeição e materiais de higiene, roupas e cobertores, um pouco de amor, afeto, carinho e empatia.” A distribuição é feita através de duas rotas: uma atinge a área central e a outra, a Av. Brasil e suas adjacências.

Os interessados em ajudar o grupo “Anjos da Rua” podem se voluntariar ou auxiliar com doações de alimentos não-perecíveis, suco de pacote e água mineral, além de roupas, agasalhos e cobertores. Em ambos os casos, é possível entrar em contato através do Instagram @anjosdaruajf ou pelo telefone (32) 99111-1437.

Veja Também