Festa do Padroeiro da Arquidiocese é marcada pela alegria e participação de milhares de devotos

Após dois anos, na última segunda-feira, 13 de junho, a Arquidiocese de Juiz de Fora pode celebrar a grande festa de seu padroeiro, Santo Antônio. Mesmo com algumas precauções, milhares de pessoas puderam festejar o santo doutor do evangelho, que é protetor a cidade de Juiz de Fora, da Catedral Metropolitana, do Seminário Arquidiocesano, de outras seis paróquias e uma quase-paróquia de nossa Igreja Particular.

Neste ano a benção para a cidade sede da Arquidiocese, seguiu o modelo criado durante a pandemia, um cortejo com a imagem do santo português tomou conta da principal avenida da cidade, porém desta vez convidando todos para rezarem e acompanharem em carreata. O carro-andor saiu do Seminário Arquidiocesano em direção à Catedral, levando também o Arcebispo Metropolitano, Dom Gil Antônio Moreira, que trazia consigo a relíquia de Santo Antônio.

Durante o percurso, uma pequena carreata seguiu cortejo, buzinando e acenando. Dentre aqueles que estiveram manifestando sua fé, encontramos o Tarcísio José e sua filha, Vivian Oliveira. “Foi uma emoção porque, depois de tanto tempo de pandemia, longe das pessoas dos outros fieis, agradecer a Santo Antônio por tantas bênçãos. E percorrer a avenida buzinando, acenando para as pessoas na janela, toda aquela fé, é muito emocionante. Fica marcado! Ano que vem nós estamos aqui”, contou Vivian.

Na chegada à Catedral, algumas pessoas aguardavam do lado de fora e centenas dentro da igreja para celebrar a Missa Festiva, que foi presida por Dom Gil e concelebrada por diversos padres da forania Santo Antônio.

A igreja esteve lotada como há muito não se via, e se manteve assim ao longo das oito missas do dia. Para Tarcísio, que também participou da Santa Missa das 16h, foi uma grande alegria vivenciar esses momentos. “Achei que não ia dar para e vir por conta de um trabalho, mas Deus abençoou tanto que eu terminei era duas horas da tarde. Uma excelente tarde! Santo Antônio vai me proteger o resto do ano. Sou muito devoto de São José, mas sei que Santo Antônio não vai deixar de me amparar. Tô muito feliz mesmo!”, disse ele, ao final não contendo as lágrimas.

Momento da benção dos pães

Na ocasião, o Pastor Arquidiocesano falou sobre a grande felicidade de comemorar esta festa, que tem muita relevância, inclusive histórica. “Que alegria quando chega o dia de nosso padroeiro! Ele é o padroeiro da cidade a mais de 300 anos, desde o primeiro núcleo de habitantes dessa cidade até agora. [Santo Antônio] Sempre amado e venerado por todos os habitantes dessa cidade”, declarou ele.

Além disso, Dom Gil destacou a satisfação em realizar as festividades, manifestações públicas de fé, como a Feira de Santo Antônio (ocorrida no Seminário Arquidiocesano) e festa social da Catedral. “Tudo isso é motivo de satisfação, de alegria. Sobretudo, depois de dois anos quase parados, tivemos oportunidade de celebrar com mais liberdade, embora com certos cuidados ainda, e o povo veio, participou intensamente”, concluiu ele.

Ao final da celebração diversos agradecimentos foram feitos e todos foram convidados para prestigiar as barraquinhas, no salão paroquial. “Neste dia queremos agradecer a Deus por esse momento que estamos vivendo. Só temos que agradecer, louvar a Deus e pedir que a gente possa aprender com Santo Antônio a sermos apaixonado pelo evangelho, pela justiça do reino, pelos pobres, também pela bondade. Santo Antônio eram um homem bom e nos ensina a viver a bondade de Deus. Que a gente possa aprender com ele a sermos apóstolos do bem, da verdade, da justiça e do amor”, disse Padre José de Anchieta Moura Lima, Administrador Paroquial.

É possível conferir mais fotos em nossa galeria.

Veja Também