Encontro da Comissão para a Juventude promove missão de experiência comunitária entre os participantes

A Comissão para a Juventude do Regional Leste 2 da CNBB realizou entre os dias 05 e 07 de maio seu Encontro de Formação. O evento reuniu 60 participantes, entre eles padres, jovens e religiosos representando as arquidioceses e dioceses de Minas Gerais e ocorreu em Belo Horizonte (MG).

Com o objetivo de caminhar ao lado da juventude, o evento foi assessorado pela Irmã Valéria Andrade Leal, assessora nacional da Comissão para a Juventude.

Dom José Eudes Campos do Nascimento, bispo da diocese de São João del-Rei (MG) e referencial para a Comissão da Juventude no Leste 2, acompanhou todos os dias de encontro. “O nosso Regional rejuvenesce com alegria, para anunciar o evangelho de sempre com novo ardor, novos métodos e novas expressões, como nos exorta São João Paulo II”, afirmou.

A programação foi pensada para atender, acolher e orientar a juventude no caminho eclesial, viabilizando o crescimento e enriquecimento da diversidade de dons e carismas no Espírito Santo.

O processo sinodal pedido pelo Papa Francisco, se fez presente no encontro e se encarnou no coração de cada jovem presente. Onde a escuta atenta de cada realidade faz uma igreja mais caridosa e proativa em cada realidade, trazendo sempre o ardor missionário e o desejo de mergulhar em uma evangelização consistente e perene, típica dos jovens, como nos diz o São João: “Vós sois fortes e vencestes o maligno” (1 Jo 2,14).

Arquidiocese de Juiz de Fora? Presente!

O Assessor Arquidiocesano da Pastoral Juvenil, Padre Robert Teixeira, esteve participando do encontro. Ele contou que achado muito proveitoso o momento para partilhar as experiências e as dificuldades, que são as mesmas em todas as dioceses. “Preocupação em nível nacional, de como trabalhar bem as vocações, como alcançar esses jovens. Precisamos conversar com eles, abrir espaço de escuta e também pensar o que nós, enquanto Igreja, temos a oferecer”, relatou.

Ele ainda comentou que a realidade atualmente é bastante variada, com jovens presentes em diferentes contextos e que o Setor Juventude deve abarcar todo e qualquer movimento que envolva a juventude.

“Hoje a gente não fala de juventude, mas de juventudes, nas suas mais variadas expressões de fé, de movimentos de espiritualidade. Foi muito proveitoso ver como que vamos nos reestruturando depois do evento pandemia. [Ver] aquilo que a CNBB tem a nos dizer na nossa necessidade de recomeçar, de reconfigurar, com essa juventude que é plural”, concluiu o sacerdote.

Em nossa arquidiocese, este é o trabalho que o Vicariato da Juventude tem buscado desenvolver. Atualmente vem realizando um levantamento dos movimentos e grupos da juventude local, para entender as necessidades dos jovens e, assim, saber como atendê-los.

*Com informações de Taíne Campolina, da Diocese de Sete Lagoas
**Fonte: Site do Regional Leste 2

Veja Também