Dom Biasin tem seu pedido de renúncia aceito pelo papa

0

Ao completar 75 anos no dia 6 de julho de 2018, o bispo da Diocese de Volta Redonda – Barra do Pirai, dom Francisco Biasin seguiu o protocolo previsto no Direito Canônico e enviou carta ao papa Francisco comunicando sua renúncia. Neste dia 13 de março, o Sumo Pontífice aceitou o seu pedido de renúncia. Nascido na Itália, em Arzercavalli, o bispo radicou-se no Brasil como sacerdote fidei donum, na década de 70, para trabalhar na diocese de Petrópolis (RJ).

De 1981 a 1990, estando na diocese de Duque de Caxias (RJ), foi pároco da Catedral e Vigário-Geral. Foi membro da Comissão de Presbíteros do Regional Leste-1 da CNBB. Foi pároco na cidade de Itaguaí, confessor e diretor espiritual no Seminário Maior de Nova Iguaçu. Foi Vigário-Geral e Administrador diocesano de Itaguaí e pároco da Paróquia Santa Teresinha. Retornando para a Itália recebeu o cargo de responsável do Departamento Missionário da Diocese de Pádua.

Foi nomeado bispo da diocese de Pesqueira (PE) pelo então papa João Paulo II, em 23 de julho de 2003, sendo ordenado por seu predecessor dom Bernardino Marchió no dia 12 de outubro de 2003, na Praça Dom José Lopes, em frente à Catedral de Santa Águeda, na cidade de Pesqueira. Tomando posse na mesma celebração da sua diocese.

O religioso foi eleito, dia 11 de maio de 2011, como presidente da Comissão Episcopal Pastoral para o Ecumenismo e o Diálogo Inter-Religioso da CNBB, função que exerce até a 57ª Assembleia Geral dos Bispos do Brasil, de 1º a 10 de maio deste ano.

O papa Bento XVI o nomeou para bispo de Barra do Piraí-Volta Redonda, em 8 de junho de 2011, diocese na qual tomou posse dia 28 de agosto de 2011. Desde o 27 de outubro de 2012, nomeado pelo papa Bento XVI, integra o Pontifício Conselho para o Diálogo Inter-Religioso do Vaticano.

Agradecimento da CNBB a dom Francisco Biasin

Brasília-DF, 13 de março de 2019

Prezado Irmão, dom Francisco Biasin.

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) tomou conhecimento de que o Santo Padre aceitou o pedido de renúncia que o senhor fez e nos unimos para agradecer lhe todo o bem realizado em favor do povo e do Evangelho de Jesus Cristo, especialmente no tempo do seu ministério como bispo.

Desde 2003, o senhor tem nos dado um testemunho de dedicação como Pastor junto às comunidades da diocese de Pesqueira (PE) e, a partir de 2011, junto ao Povo de Deus da Diocese Barra do Piraí-Volta Redonda (RJ).

Agradecemos, com especial ênfase, o trabalho que o senhor tem realizado em favor da Conferência Episcopal no campo do ecumenismo e do diálogo inter-religioso, desde 2011. Um trabalho exigente, profundo e povoado de desafios urgentes. Sua palavra e sua ação sempre tão apropriadas tem ajudado o conjunto do episcopado no Brasil a avançar na evangelização neste campo.

Buscamos algumas palavras do Magistério de São João Paulo II, lembrando seu trabalho na CNBB e para celebrar a chegada de sua emeritude: “A vontade de Deus é a unidade de toda a humanidade dispersa. Por este motivo, enviou o seu Filho a fim de que, morrendo e ressuscitando por nós, nos desse o seu Espírito de amor. Na véspera do sacrifício da Cruz, Jesus mesmo pede ao Pai pelos seus discípulos e por todos os que acreditarem n’Ele, para que sejam um só, uma comunhão viva. Daqui deriva o dever e a responsabilidade que incumbe, diante de Deus e do seu desígnio, sobre aqueles e aquelas que, através do Batismo, se tornam o Corpo de Cristo: Corpo no qual se deve realizar em plenitude a reconciliação e a comunhão” (UUS, 6).

Seu lema episcopal, podemos dizer, é um resumo de toda a sua vida: “Agens eorum vitam per fratres” (Dar a vida pelos irmãos). E, como mensagem deixada a todos, permanece sendo um desafio colocado para todos os batizados.

Rezamos pela sua saúde e desejamos que sua vida continue cheia de bons frutos.

Em Cristo,

Dom Leonardo Ulrich Steiner
Bispo auxiliar de Brasília
Secretário-geral da CNBB

Fonte: Site da CNBB

Conteúdo Relacionado
X