Dia Mundial da Terra: “As pessoas devem fazer as pazes com a natureza”

Foto: Unsplash

Hoje, dia 22 de abril, é celebrado o Dia Mundial da Terra, para marcar a data, o secretário-geral da ONU, Antônio Guetteres, participa no Encontro de Cúpula de Líderes sobre o Clima, organizado pelos Estados Unidos. A iniciativa reúne, de forma virtual, cerca de 40 líderes mundiais e pretende reforçar os esforços para limitar o aumento da temperatura global em 1,5 grau Celsius até o final do século.

A humanidade continua a abusar da natureza

Em mensagem sobre o Dia Internacional, Guterres afirmou que o planeta “está num ponto crítico” e apela as pessoas a fazerem as pazes com a natureza. O chefe da ONU afirmou que “a Humanidade continua a abusar da natureza”, pilhando descuidadamente os recursos da Terra, esgotando sua vida selvagem e tratando o ar, a terra e os mares como depósitos de lixo. Segundo ele, “ecossistemas e cadeias alimentares cruciais estão à beira do colapso.” Para o secretário-geral, esse comportamento “é suicida.” O secretário-geral ressalta que o mundo precisa “acabar com a guerra contra a natureza e cuidá-la para que volte a ser saudável”.

Medidas necessárias

O chefe da ONU destacou depois os passos que precisam ser dados, como limitar o aumento da temperatura e planejar uma adaptação às mudanças que virão. Ele pediu também medidas mais firmes para proteger a biodiversidade, a redução da poluição e mais contribuições para economias circulares que reduzam os resíduos. Segundo Guterres, estes passos irão salvaguardar “a casa comum” da população mundial e “criar milhões de novos empregos”.

Papa pede relações melhores com a Criação

“Quebramos os laços que nos uniam ao Criador, aos outros seres humanos e ao resto da Criação. Precisamos sarar estas relações danificadas, que são essenciais para sustentáculo de nós mesmos e de toda a trama da vida”. Com este tweet, no ‘@pontifex’, o Papa Francisco sublinhou as responsabilidades do homem em sua relação com a natureza neste Dia Mundial da Terra, que este ano mais do que nunca convida todas as nações, especialmente as industrializadas, a assumir um compromisso comum para acabar com a exploração indiscriminada dos recursos de nosso planeta.

Francisco sempre quis a criação de uma aliança entre o ser humano e o meio ambiente, que nada mais é do que uma declinação do conceito de “ecologia integral”, agora conhecido em toda parte graças à encíclica “Laudato si“. Tudo o que está acontecendo, desde pandemias às mudanças climáticas, tem relevância em todos os aspectos da vida, sociais e econômicos, éticos e políticos. E tudo afeta a vida dos mais pobres e frágeis, afirma com frequência o Papa, apelando para a responsabilidade de promover, com um compromisso coletivo e solidário, uma cultura do cuidado, que coloque a dignidade humana e o bem comum no centro. Justiça, equidade, segurança

Fonte: Site da ONU e do Vatican News

Veja Também