Depois de dois anos, procissão de Corpus Christi toma ruas do Centro de Juiz de Fora

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

A Igreja celebrou, na última quinta-feira (16), a festa da instituição da Eucaristia, o Corpus Christi. O dia foi marcado por missas e procissões com o Santíssimo Sacramento em todo o território arquidiocesano, mas o auge da festa em Juiz de Fora se deu à tarde, com a procissão que tomou a Avenida Barão do Rio Branco. Antes, a Forania Santo Antônio se reuniu na Igreja Bom Pastor, no bairro homônimo, para a Celebração Solene.

A Missa campal foi presidida pelo Arcebispo Metropolitano, Dom Gil Antônio Moreira, e concelebrada pelo Arcebispo Emérito de Sorocaba, Dom Eduardo Benes de Sales Rodrigues, e por padres da forania. Diáconos Permanentes e seminaristas também estiveram presentes. Após a Eucaristia e um breve momento de Adoração Eucarística, o cortejo luminoso saiu em direção à Catedral. No caminho, como de costume, foram dadas duas bênçãos: na primeira delas, nas proximidades da Santa Casa de Misericórdia e do Hospital de Pronto Socorro (HPS), foram recordados os enfermos e os profissionais da saúde; em seguida, a parada foi em frente ao Cenáculo São João Evangelista, que abriga as Servas do Santíssimo Sacramento e os Padres Sacramentinos. Na oportunidade, Dom Gil recordou a vida religiosa e a adoração perpétua que ali acontece. Na chegada à principal igreja da cidade, o Arcebispo deu a última bênção do Santíssimo Sacramento.

“Depois de dois anos com o público muito menor, o povo voltou. Exuberância, multidão, povo fervoroso com sede de Deus, com sede da palavra, com fome da Eucaristia”, comemorou Dom Gil Antônio Moreira, ao observar que milhares de pessoas participaram da Missa e da procissão. O pastor arquidiocesano ainda recordou a origem da Solenidade de Corpus Christi. “Essa data foi constituída pela Igreja desde o século 13 para manifestar a nossa fé na presença real de Jesus no pão e no vinho eucarísticos. Mas ela tem também um significado social, de partilha, porque quem se alimenta do Corpo de Cristo lembra-se que Ele também se preocupou com a fome do povo.” O Arcebispo referiu-se à campanha, realizada em toda a Arquidiocese, de recolhimento de alimentos não-perecíveis e agasalhos. “É o gesto de doação de Jesus que cada um repete na sua vida, na sua alma”, finalizou.

O Vigário Forâneo da Forania Santo Antônio e Administrador Paroquial da Catedral, Padre José de Anchieta Moula Lima, reforçou o caráter público da festa da Eucaristia. “Depois de dois anos de pandemia, nós estamos hoje, de novo, realizando essa grande festa do corpo de Deus, onde Jesus não só fica dentro da igreja, mas, de forma pública, passando pelas ruas da cidade, abençoa a cidade, os cristãos, os Seus seguidores.” O sacerdote ainda lembrou a grande mensagem do evangelho daquele dia. “Jesus está no deserto e ali alimenta uma multidão faminta, mostrando que o corpo d’Ele tem que ser doado, ser partilhado, ser compartilhado com quem passa fome. Que essa festa de hoje possa ajudar cada um de nós a aprender a lição do evangelho, aprender a seguir Jesus, aprender a eucaristizar o mundo [expressão de São João Paulo II].”

Clique aqui e confira mais fotos da Missa e da Procissão de Corpus Christi que reuniu as paróquias da Forania Santo Antônio.

Veja Também