Coleta em prol da Terra Santa acontece nesta Sexta-feira Santa

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Na Sexta-Feira Santa, os cristãos católicos do Brasil e de todo mundo são convidados a estender seu gesto de caridade contribuindo com a “Coleta para a Terra Santa” nos locais sagrados da fé católica na Terra de Jesus e em todo o Médio Oriente. O lema bíblico extraído dos Atos dos Apóstolos (20, 35)  “Há mais alegria em dar do que receber” anima as doações à coleta. 

No mês passado, o Cardeal Leonardo Sandri, prefeito da Congregação para as Igrejas Orientais no Vaticano, divulgou um apelo da Igreja em prol da coleta para  ajudar os cristãos que vivem na Terra Santa e a manutenção dos lugares sagrados. Ele lembrou que por dois anos consecutivos as comunidades da Terra Santa celebraram a Páscoa e o Natal numa espécie de isolamento, sem o calor da amizade solidária dos peregrinos e as comunidades locais que visitam os lugares santos e as comunidades locais. As famílias sofreram outras medidas pela falta de trabalho, devido aos efeitos da epidemia.

A “Coleta para a Terra Santa”, também conhecida como “Collecta pro Locis Sanctis”, é o resultado da vontade dos papas de manter forte o vínculo entre todos os cristãos do mundo e os locais sagrados. A Coleta, que é tradicionalmente feita na Sexta-Feira Santa, é a principal fonte de rendimento para o sustento da vida que se desenvolve em torno dos locais sagrados. Os valores arrecadados são destinados para a Terra Santa, 90%, e 10%  à Santa Sé, para as Congregações do Oriente. 

Apelo por doações

O custódio da Terra Santa, irmão franciscano Francesco Patton, no vídeo abaixo, chama a atenção para as dificuldades de manter a missão nas comunidades de Belém, Jerusalém, Líbano e Síria “numa situação sem precedentes” como a vivida com a pandemia da Covid-19 nos últimos dois anos. Contudo, o religioso reforçou que a obras e a presença católica na Terra Santa foram intensificadas com orações, celebrações e a presença junto a trabalhadores, migrantes, refugiados, nas escolas e nos centros de formação e estudo.

*Fonte: Site da Canção Nova e da Arquidiocese de Florianópolis

Veja Também