Catedral recebe Religiosos de Juiz de Fora para celebrar o 25º Dia da Vida Consagrada

Representantes de diversas congregações na Missa/ Fotos: Cedidas por Frei Carlos, OFM Conv.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Na última terça-feira (2), Festa da Apresentação do Senhor, a Catedral Metropolitana recebeu o Núcleo Conferencial dos Religiosos do Brasil (CRB) de Juiz de Fora para celebrar o Dia da Vida Consagrada. A data foi  instituida há 25 anos, pelo Papa São João Paulo II, para agradecer a Deus pelo dom da vocação e promover o conhecimento e a estima pela vida consagrada.

A Missa de Ação de Graças foi presidida pelo Coordenador do Núcleo CRB/JF, Frei Carlos Roberto de Oliveira Charles, OFM Conv., concelebrada por diversos sacerdotes religiosos que representaram suas comunidades, dentre eles: Pe. Adeilson e Pe. Francisco dos Missionários do Sagrado Coração (MSC); Pe. Vanderlei, da Congregação do Santíssimo Redentor (CSsR); Pe. Silas e Pe. Willians, da Comunidade Magnificat e um representante do Clero diocesano, Pe. Danilo, Vigário da Catedral. Auxiliou também no altar o Frei Eduardo, dos Franciscanos Menores, de Santos Dumont (MG).

Religiosas e membros de comunidades de Vida presentes na celebração

Também estiveram presentes, Irmãs dos Santos Anjos, Filhas do Divino Mestre, Comunidades de Vida e Aliança – como a Shalom-, além de fiéis das Comunidades da Catedral e da Paróquia Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, do bairro Monte Castelo.

Durante a celebração, Frei Carlos focou na história dos 25 anos da Vida Consagrada, contextualizando-a na tradição dos séculos, desde o IV até a modernidade, contemplando suas origens desde os eremitas, depois cenobitas, passando pelo monacato, pelas ordens mendicantes, até as congregações. Segundo o religioso, ele ressaltou a consagração, comunhão e missão como tríplice estrutura da Vida Consagrada. Além de ter tratado da sinodalidade e da beleza da diversidade de carismas.

A reflexão do Coordenador do Núcleo centrou-se na questão de celebrar com alegria tal data, num tempo marcado especialmente pela pandemia e suas nebulosas consequências que afligem a humanidade, particularmente os mais pobres e excluídos, tônica de toda a CRB no Brasil.

Frei Carlos afirmou ser um desafio celebrar esse aniversário em meio ao luto de tantos irmãos e irmãs, no entanto, recordou a certeza a que a Vida Consagrada é chamada a testemunha também nesses tempos. “Deus é amor, nos ama incondicionalmente e nos ilumina, e devemos comunicar e transmitir isso, pois o mundo, a sociedade, as comunidades, as famílias, as pessoas necessitam de Luz. Jesus é a Luz do Mundo precisamente porque dá testemunho do Pai. Na Liturgia da Festa da Apresentação do Senhor a Vida Consagrada encontra inspiração para aperceber-se vocacionada a ser Luz, testemunhando a certeza do Amor Fiel e Providente do Pai”, explicou ele.

*Colaboração: Frei Carlos, OFM Conv

Veja Também