Basílica Menor Bom Jesus do Livramento é instalada na Arquidiocese de Juiz de Fora

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

O último dia 14 de setembro foi especial para a Arquidiocese de Juiz de Fora. Na Festa da Exaltação da Santa Cruz, nossa Igreja Particular ganhou sua primeira Basílica Menor, localizada em Liberdade (MG) e dedicada ao Bom Jesus do Livramento. A Santa Missa de elevação do então Santuário foi presidida pelo arcebispo metropolitano, Dom Gil Antônio Moreira, e concelebrada por diversos padres diocesanos e religiosos. Diáconos permanentes e seminaristas também estiveram presentes na ocasião.

Antes da Celebração Eucarística, houve um ato cívico de obliteração do selo comemorativo em alusão à data, pelos Correios do Brasil. Além dos representantes do serviço postal, Roberto da Costa e Douglas Amaral, participaram da cerimônia a prefeita do município, Rita de Cássia Rodrigues, o reitor do Santuário Basílica, Padre Ivair Carolino, o chanceler do Arcebispado, Padre Eder Luiz Pereira, o integrante do Cepae e da Irmandade Bom Jesus, José Cunha de Campos, e Dom Gil. O 10º Batalhão de Infantaria Leve (BIL) abrilhantou o momento ao tocar o Hino Nacional.

Mesmo com a chuva, fiéis acompanham a missa do lado de fora da igreja

A chuva que caiu no fim da tarde não afastou os fiéis, que lotaram o interior da igreja e também acompanharam a missa do lado de fora. O rito de elevação foi realizado no início da celebração, com a saudação do reitor do Santuário e do arcebispo e o canto das ladainhas, durante o qual os fiéis foram aspergidos com água benta, em sinal de penitência e em memória do Batismo. Após a leitura do Decreto Apostólico pelo chanceler da Arquidiocese, houve o anúncio dos dias em que será concedida a indulgência plenária e, por fim, o arcebispo incensou o altar e os símbolos da Basílica: o tintinabulo e a umbela.

Segundo o arcebispo metropolitano de Juiz de Fora, foram várias as razões que o motivaram a escolher o templo de Liberdade para receber a titulação papal. O primeiro deles, o fato de a Igreja Particular de Juiz de Fora, em seus 90 anos, não possuir nenhuma Basílica Menor, ao contrário de cidades e (arqui)dioceses próximas. Além disso, Dom Gil considerou que o templo preenchia todos os requisitos necessários para a elevação e, ainda, um pedido recente do Santo Padre. “Atendendo ao Papa Francisco, que nos faz olhar para as periferias, eu pensei que aqui seria um lugar simbólico para tratar desse assunto, dado que Liberdade é a última cidade do nosso território arquidiocesano em direção à Diocese de Campanha e não é uma cidade de grande porte populacional. Em vez de dar o título de basílica às cidades grandes, onde normalmente as coisas acontecem, eu pensei em dá-lo a um município de população menor, para mostrar que o povo do interior tem o mesmo valor que o povo de uma cidade grande”.

O arcebispo ainda comentou o fato de o seu pedido junto a Santa Sé, feito em 19 de março, Dia de São José, ter sido aceito às vésperas do início do segundo Sínodo. “Penso que é um presente do céu. Eu considero este erguimento do Santuário à condição de Basílica como um monumento elevado a nossa Igreja Particular como um marco inicial dos preparativos para o segundo Sínodo Arquidiocesano”.

A movimentação no Santuário Basílica Bom Jesus do Livramento na sexta-feira (14) começou cedo, às 4h, quando a igreja foi aberta. Além das seis celebrações do dia e a alvorada que abriu a programação, chamou a atenção a grande fila formada para a contemplação da imagem original do padroeiro local, que tem 1,90m e 300 anos de história.

“Não se tem registro exato da execução do trabalho. A tradição o atribui a São José Operário, que se apresentou para esculpir uma imagem para a comunidade. Após três dias de o entregarem um cedro inteiriço, ele desapareceu e miraculosamente a imagem apareceu. É um homem sofrido, marcado pela dor da Paixão e quem contempla se encanta. Ela é inigualável, singular, não existe outra no Brasil”, contou o Padre Ivair Carolino. Nas contas do reitor do Santuário Basílica, cerca de 25 mil pessoas passaram por ali durante o dia.

Indulgência Plenária

O título de Basílica destaca o templo, sobretudo em três aspectos: o litúrgico, o eclesial e o artístico. Quanto ao aspecto litúrgico, a basílica deve ser centro vivo da celebração dos Mistérios de Cristo, diferenciando-se pelo esmero na preparação dos mesmos, tendo cuidado no estrito cumprimento das normas litúrgicas, evitando os exageros e desvirtuações.

Importante, também, é o aspecto penitencial da Liturgia nas basílicas. Elas se tornam um local privilegiado da misericórdia de Deus, enquanto recebem, pelo ato de sua criação, o beneplácito das indulgências plenárias em várias datas, como no aniversário da sua Dedicação (30 de maio), na festa litúrgica do seu titular (14 de setembro); na solenidade dos Santos Apóstolos São Pedro e São Paulo (29 de junho); no aniversário da concessão do título (6 de agosto).

Além dessas datas, a Santa Sé concede ao Bispo local o direito de escolher outro dia e assim, determinamos que, em Liberdade, seja o primeiro domingo de setembro de cada ano, quando ocorre a abertura do Jubileu, com o translado da imagem votiva do Bom Jesus, da Vargem para o Santuário. Da mesma forma, é concedido aos fiéis que, na impossibilidade de comparecer a uma dessas datas, possa escolher ele mesmo um dia para visitar a basílica e lucrar a indulgência, o que significa, na prática, que todos os dias do ano são dias de indulgência plenária nas igrejas basilicais.

Em todos estes casos, para obter o mencionado benefício espiritual, o fiel deve cumprir as costumeiras condições, que são: rezar ao menos o Pai Nosso, recitar o Creio, fazer a Confissão sacramental, receber a Comunhão Eucarística e rezar pelas intenções do Papa.

Vale destacar que o título de basílica é o mais elevado que uma igreja pode ter, depois da Catedral. Representa uma dignidade que os Papas dão com o objetivo de destacar a importância daquele edifício sagrado, pela veneração e apreço que lhe atribuem os fiéis, a importância histórica e a beleza artística de sua arquitetura, e demais elementos decorativos, como esculturas, entalhes, retábulos, pinturas e outros.

O Santuário Basílica Bom Jesus do Livramento fica na Rua Dr. Antônio Lage, 86 – Centro de Liberdade.

Veja Também

Contatos

Fale com a Arquidiocese

Cúria Metropolitana de Juiz de Fora

Tel: (32) 3229-5450

E-mail

Endereço

Av. Barão do Rio Branco, 4516
Alto dos Passos, Juiz de Fora – MG
CEP: 36026-500

Atendimento

Assessoria de Comunicação

8h às 17h

Arquivo Arquidiocesano

Atend. Interno – 8h30 às 16h30
Atend. Externo – 13h30 às 16h30

Folha Missionária

8h às 13h

Jurídico

8h ‪às 12h‬ e de 13h ‪às 17h

Tesouraria

8h às 11h30 e de 13h às 16h

Tribunal Eclesiástico

13h às 17h

Cadastre-se aqui para receber novidades e atualizações da Arquidiocese

© Copyright Arquidiocese de Juiz de Fora. Feito com por