Avaliação e Santa Missa marcam fim do Ano Jurídico na Arquidiocese de Juiz de Fora

*Registro da abertura do Ano Jurídico, em 19 de fevereiro.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Na última segunda-feira, 10 de dezembro, o Ano Jurídico na Arquidiocese de Juiz de Fora foi oficialmente encerrado durante reunião e Santa Missa, realizados no Lar Sacerdotal Mater Christi. Os momentos foram conduzidos pelo arcebispo metropolitano, Dom Gil Antônio Moreira, e contaram com a presença do vigário judicial, Padre Geraldo Luiz Alves Silva, além do notário, auditores, psicólogos, peritos e defensores do vínculo do Tribunal Interdiocesano e de Apelação.

O encontro foi oportunidade de revisão do ano que passou, por meio de comentários e levantamento de dificuldades a serem superadas. Ao mesmo tempo, foram explicitadas as realizações do setor e quantas coisas boas ele pode fazer em favor da pessoa humana, sobretudo de casais que procuram soluções para dificuldades.

Durante a missa em ação de graças, Dom Gil fez uma reflexão sobre o evangelho do dia, que narrou a cura do paralítico (cf Lc 5,17-26). “Jesus primeiramente cura a alma dele, para depois curar o corpo. Refletimos um pouco sobre alguns aspectos que nos ajudam no exercício da justiça eclesiástica. Por exemplo, olhar a pessoa, o que está dentro dela, e não apenas friamente trabalhar com documentos para estabelecer esta ou aquela solução, um veredicto disso ou daquilo. Mas olhar a pessoa humana como Jesus primeiramente olhou a pessoa do doente antes de apenas curar e mandá-lo voltar para casa, que era aquilo que as pessoas ao redor esperavam”.

A celeridade com que Cristo fez esse milagre também foi considerada pelo arcebispo. “Ele não esperou terminar a sua função de pregação, mas imediatamente atendeu à necessidade daquele irmão que estava precisando de uma atenção muito especial. Isso também nos ajuda no Tribunal Eclesiástico: a ter esse esforço de atender com todo amor àquelas pessoas que nos procuram, muitas vezes feridas, com dificuldades para a sua própria vida espiritual e familiar”, ponderou.

O Tribunal Eclesiástico Interdiocesano funciona no primeiro andar do prédio da Cúria Metropolitana, de segunda a sexta-feira, das 9h às 17h.

Veja Também