Arquidiocese de Juiz de Fora ganha quinto presbítero no período de um mês

0

Na manhã dessa segunda-feira, dia 7 de setembro, o município de Bicas (MG) esteve em festa por dois motivos: por mais um aniversário de emancipação e pela Ordenação Presbiteral de um filho seu, o agora Padre João Carlos Ventura de Oliveira. A cerimônia, realizada na Matriz São José, foi presidida pelo Arcebispo Metropolitano de Juiz de Fora, Dom Gil Antônio Moreira, e concelebrada por vários padres da Arquidiocese.

Antes da Missa, a festa já havia começado no pórtico da cidade, onde o Arcebispo foi recebido pelo Prefeito Honório de Oliveira e pelo ordenando, além do Pároco local, Padre Dione César Goulart, do Padre José Custódio de Oliveira – também nascido em Bicas – e de alguns cidadãos. Depois de abençoar o município, os religiosos participaram de carreata até a igreja dedicada ao pai adotivo de Jesus. Na chegada, teve início a Celebração Eucarística.

O rito da Ordenação Sacerdotal começou após a Liturgia da Palavra e foi constituído por seis partes: a eleição do candidato, a homilia do Arcebispo, o propósito do eleito, a ladainha – durante a qual o ordenando permaneceu deitado no chão, como sinal de entrega total a Deus -, a imposição das mãos do celebrante e demais sacerdotes presentes e a prece de ordenação, além da unção das mãos do neossacerdote e a entrega da patena e do cálice. João Carlos estava visivelmente emocionado e seus sentimentos transbordaram em lágrimas no momento em que teve suas mãos, já ungidas com o óleo do Santo Crisma, beijadas por seus pais.

Ele resumiu sua emoção em uma palavra: gratidão. “Em primeiro lugar, o agradecimento a Deus, que na Sua infinita misericórdia me chamou e me concedeu viver este momento após todo o período de preparação. Foram nove anos no Seminário – Filosofia, Teologia, encontros vocacionais, espiritualidade, missão, pastoral – para então chegar aqui. Momento de entrega, de abandono no Senhor nesta etapa que se inicia e agora não se encerra mais”, revelou.

Padre João Carlos ressaltou a escolha da data da ordenação por ser aniversário de sua cidade-natal, mas, também, por marcar os nove meses desde que fora ordenado diácono; uma gestação, segundo afirmou. Ao falar de seu lema de ordenação presbiteral – “Ó Senhor, não me afasteis de vossa face, nem retireis de mim o Vosso Santo Espírito” – contou que já o havia escolhido nos primeiros meses de caminhada vocacional. “Logo quando entrei para o Seminário, em fevereiro de 2011, eu tive contato com a liturgia das horas pela primeira vez. Nas Laudes, louvor da manhã de toda sexta-feira, nós rezamos o Salmo 50 e o versículo 13 sempre tocou muito meu coração. Desde o início eu sabia que esse seria o meu lema, não só sacerdotal, mas de vida, pedindo para ter profunda intimidade com o Senhor, que me chamou para, agora, por Ele, com Ele, para Ele e por um povo me doar por inteiro”.

O reitor do Seminário Arquidiocesano Santo Antônio e Vigário Geral da Arquidiocese de Juiz de fora, Monsenhor Luiz Carlos de Paula, lembra que Padre João Carlos é o quinto sacerdote ordenado nas últimas semanas. “Deus chamou, e o nosso Seminário trabalhou a formação desses seminaristas, agora padres. Todos eles acompanharam tudo o que foi pedido, sempre no crescimento intelectual, espiritual, humano-afetivo, pastoral. É uma alegria muito grande, o nosso Seminário está em festa!”, afirmou.

Dom Gil também recordou as comemorações do dia – nacional e local – apontando que as ordenações em tempos de pandemia podem ser consideradas presentes de Deus. “São presentes que o Nosso Senhor nos deu neste ano tão especial, tão diferente, tão sacrificado. Quando nós estamos sempre assustados para evitar o contágio e sempre condoídos com aqueles que perderam e estão perdendo entes queridos. Neste contexto Deus nos dá um consolo, um alívio, nos dando essa graça de novos sacerdotes para a nossa Arquidiocese”.

Aparecida de Jesus Ventura, mãe de João Carlos, revelou que a vocação do filho apareceu quando ele ainda era uma criança. “Todas as vezes que ele chegava da Missa, entrava para o quarto e celebrava a Missa toda de novo para os santos da avó dele. E isso foi crescendo cada vez mais, até que um dia ele chegou perto do Padre Cássio [então pároco de Bicas] e disse que queria ser padre”. Ver este sonho de ser sacerdote se realizar é, para ela, uma alegria inexplicável. “A emoção que eu estou sentindo é muito difícil de se explicar. Essa caminhada foi muito longa, mas eu estou muito feliz, e a única coisa que eu posso dizer é que eu tenho muito a agradecer a Deus e a Nossa Senhora por este momento”.

Durante sua homilia, o Arcebispo de Juiz de Fora ressaltou o evangelho escolhido por Padre João Carlos para a ocasião, dando destaque para a figura de São João Batista. “Como João Batista foi o precursor de Cristo na vida, na missão, na paixão e na morte, também o padre é chamado a assim viver, entregando-se inteira e indivisivelmente a Deus. A missão do padre é mesmo a missão de João Batista: preparar os caminhos do Senhor no coração das pessoas, nas comunidades paroquiais e outras, e no meio do povo em geral. Com João Batista, nós, padres, devemos aprender ao menos três grandes lições: austeridade de vida, humildade eloquente e profecia em nome do Senhor”.

A primeira Missa de Padre João Carlos será nesta terça-feira, 8 de setembro, às 19h, na Igreja Matriz Nossa Senhora das Dores, em Bias Fortes (MG). Na ocasião, ele será apresentado como Vigário Paroquial, dando continuidade aos trabalhos que iniciou ainda enquanto diácono transitório. A Eucaristia, que será transmitida pelo Facebook, marcará ainda a abertura da Festa Sinodal da padroeira paroquial.

Clique aqui e confira mais fotos.

Conteúdo Relacionado
X