“A mistagogia da Liturgia da Palavra” é abordada durante videoconferência sinodal

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

No último sábado, 24 de outubro, cerca de 90 missionários sinodais de Juiz de Fora e do interior, entre padres, diáconos e leigos, participaram da segunda videoconferência promovida pela Comissão Ampliada do 2º Sínodo Arquidiocesano. O Arcebispo Metropolitano, Dom Gil Antônio Moreira, também esteve presente.

Desta vez, o tema abordado foi “A mistagogia da Liturgia da Palavra”. As reflexões foram propostas pelo Padre Leonardo Pinheiro, sacerdote do clero juiz-forano que é o Assessor Nacional da Comissão para a Liturgia da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). Ele também compõe a Comissão Especial para a Causa dos Santos.

Dom Gil acolheu os participantes, ressaltando o valor de mais aquela oportunidade formativa. “Esse momento, queridos irmãos, é importante, porque é mais um passo sinodal que nós estamos dando. Neste tempo de pandemia nós tivemos que reinventar a celebração do nosso Sínodo, até mesmo aquele aspecto de fazer só para Juiz de Fora e só para o interior ficou um pouco modificado, porque agora nós temos que atingir a todos através dos meios de comunicação”.

Durante sua explanação, Padre Leonardo falou da importância da Liturgia da Palavra nas celebrações. “Toda vez que a Palavra é proclamada, ela sempre é proclamada por Cristo. É Ele que fala ao ser lida na igreja a Sagrada Escritura. Ele continua a anunciar o Evangelho”. O sacerdote usou como referências o livro “O sentido espiritual da Liturgia”, de Goffredo Boselli, e o capítulo 4 do evangelho de São Lucas (cf. 14-21).

Em sua fala, o Assessor Nacional da Comissão para a Liturgia da CNBB ainda apontou os três elementos que constituem a Liturgia da Palavra cristã: a comunidade reunida em assembleia; o livro das Escrituras canônicas; e o leitor que proclama a leitura. Neste momento, foi destacada a importância do cuidado com as Sagradas Escrituras nos templos religiosos e a postura dos leitores que proclamam a Palavra durante as Missas.

“Que a nossa proclamação, o nosso cuidado em proclamar, sobretudo hoje, com os cuidados e exigências que temos, seja de fato um modo de a gente levar a Palavra para que se realize na vida, nos ouvidos, no coração daqueles que a acolhem, e sobretudo daqueles que buscam ter os olhos fixos n’Ele”, finalizou o sacerdote juiz-forano.

Após agradecer a exposição feita por Padre Leonardo, o Arcebispo de Juiz de Fora reforçou alguns pontos abordados durante a palestra. “Penso que todos nós que estamos aqui nesta sala pudemos aprender, apreender e reaprender tudo aquilo que é necessário na Liturgia da Palavra. A Dei Verbum fala que a veneração que nós damos à Eucaristia deveríamos dar também à Palavra. A Palavra vem para nós não como um texto só, mas como algo que tem calor, que é mistagógico, entra no coração; e para entrar no coração precisa sair bem dos lábios de quem está lendo”.

Confira a íntegra da videoconferência sinodal do último sábado:

Veja Também