52ª Assembleia Geral dos Bispos do Brasil: Coletiva de Imprensa do dia 08 de maio

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

*Colaboração: Pe. Frei Flávio Henrique, pmPN

As Assembleias Gerais dos Bispos do Brasil têm por costume convocar diariamente uma coletiva com a imprensa, onde apresenta três comunicações previamente definidas pelo organismo de comunicação e assessoria de imprensa da CNBB, designando um bispo para tratar de cada tema.

Na última quinta-feira, Dom Flávio Giovanale, Presidente do Cáritas no Brasil, foi o primeiro a fazer as comunicações e tratou do projeto mundial da ONU para erradicação da fome no planeta até 2025. Segundo indicou, muitos países que se comprometeram na ONU com este projeto global, sequer começaram os trabalhos na direção deste intuito. Em razão disto, o Papa Francisco e a Igreja Católica, através da Cáritas Internacional, lançaram a campanha mundial “Alimentos e Justiça para todos”, com o propósito de acelerar as ações concretas abraçadas pelas Nações com assento na ONU em prol da erradicação da fome mundial. A CNBB, nesta 52ª Assembleia, junto com o Cáritas Brasil, abraçou a iniciativa.

Dom Alfreldo Schafler ficou responsável pela apresentação dos resultados concretos da iniciativa da CNBB de formar um fundo nacional para auxílio das dioceses com dificuldades financeiras, sobretudo no custeio da formação de padres. Lembrou que este compromisso foi assumido pela CNBB durante a Assembleia dos Bispos reunida em Aparecida no ano de 2012. Na ocasião, definiu-se que cada diocese contribuiria com 1 % de suas receitas para formação deste fundo nacional comum para ajuda às dioceses com dificuldades. O balanço inicial deste programa é positivo. No momento, 45 dioceses e 274 seminaristas são beneficiados em seus estudos com o auxílio deste fundo. Em 2013 arrecadou-se pouco mais de 10,5 milhões de reais, repassados às dioceses distinguindo-se 2 grupos: com arrecadação menor que 10 mil reais e com arrecadação menor que 20 mil reais, mensais.

Mencionou ainda a manifestação no plenário da gratidão dos bispos amparados pelo programa. Destacou um caso impressionante que uma determinada diocese, que não quis mencionar o nome, fazia sete anos que não dispunha de nenhum candidato para o sacerdócio por completa falta de recursos para o processo de formação. Reportou que este gesto concreto de solidariedade entre os bispos e as dioceses, remonta ao Concílio Vaticano II que motivou iniciativas dessa natureza.

A última comunicação da Coletiva de Imprensa do 9º dia de Assembleia foi feita por Dom Joaquim Mol, Presidente da Comissão Episcopal para a Cultura e Educação. Anunciou o lançamento, antes do encerramento desta Assembleia, do documento da CNBB sobre o tema da reforma política e eleições 2014. Resumiu do documento três pontos que considerou como principais: 1º ponto – motivação do eleitorado para o exercício do voto consciente e comprometido com políticas sérias e programas éticos; 2º ponto – foco nas candidaturas: os candidatos a serem eleitos devem ser pessoas dignas, entendendo por dignidade, os princípios e valores que ele possui. Para isto, não basta o candidato dizer que tenha estes valores, é preciso que a sua história confirme estes princípios e que ele seja capaz de ter ideias boas e viáveis para a transformação social; 3º ponto – que os candidatos dignos do voto consciente, estejam profundamente comprometidos e engajados no projeto nacional de reforma política, tal qual pleiteia o projeto de lei de iniciativa popular para reforma política lançado pela CNBB e que pretende atingir 1,5 milhões de assinaturas para que se viabilize uma reforma segundo os melhores princípios da ética e de uma política justa para a população brasileira.

Nesta sexta-feira, último dia da 52ª Assembleia Nacional dos Bispos do Brasil, o evento começou com a Missa no Santuário às 07:30 da manhã, passando à Sessão Solene conclusiva no plenário e será encerrado com a Coletiva de Imprensa na Sala de Imprensa. 

Veja Também