11º aniversário de partida de Chiara Lubich é celebrado hoje na Catedral

0

Hoje às 19h, na Catedral Metropolitana, acontece uma missa pela graça da canonização e pelo 11º aniversário de partida de Chiara Lubich. A celebração será presidida pelo Arcebispo Metropolitano, Dom Gil Antônio Moreira, e está sendo organizada pelo Movimento dos Focolares.

Em diversos locais do Brasil vão ocorrer eventos em sua homenagem. Silvia Lubich, mais tarde Chiara, é fundadora do Movimento Focolares, que tem como finalidade é a construção de um mundo unido. Ela teve o processo da causa de beatificação e canonização aberto em 2015, devido seu trabalho de construção de um caminho de unidade e fraternidade.

Chiara Lubich

Nasceu em 22 de janeiro de 1920, em Trento (Itália). Aos 18 anos, recebeu o diploma de professora e teve que trabalhar para pagar seus estudos superiores. Entre 1939 e 1943, tornou-se terciária franciscana e adotou o nome de Chiara, em honra a Santa Clara de Assis. Em 7 de dezembro de 1943, consagrou-se a Deus e selou esse pacto com três cravos vermelhos. Esse dia é considerado como o nascimento do movimento.

Durante os bombardeios contra sua cidade na Segunda Guerra Mundial, ela e outras jovens se reuniram nos refúgios para ler o Evangelho e meditaram sobre a oração de Jesus antes de morrer: ‘Para que todos sejam um, assim como tu, Pai, estás em mim e eu em ti’ (Jo 17,21). Sua família fugiu da cidade, mas ela decidiu permanecer e alugou um apartamento com outras moças, ao qual chamou de “primeiro focolare”. Em 1945, contava-se 500 membros. Aos poucos o movimento tomou forma e se expandiu.

O Movimento dos Focolares, também conhecido como “A Obra de Maria”, obteve a aprovação da Santa Sé em 1962. Nos anos posteriores, foram implementados diferentes ramos, como o dos jovens, chamado “Movimento Gen”. Na década de 1990, impulsionou-se o diálogo inter-religioso.

Lubich costumava dizer: “Gostaria que a Obra de Maria, no final dos tempos, quando estiver à espera de comparecer diante de Jesus Abandonado-Ressuscitado, em bloco, pudesse repetir-lhe: ‘No teu dia, meu Deus, caminharei em tua direção… com o meu sonho mais desvairado: levar para ti o mundo em meus braços. Pai que todos sejam um!’”.

Fonte: Portal de Notícias ACI Digital

Conteúdo Relacionado
X