Sínodo: quatro vídeos para contar a contribuição das pessoas com deficiência

Foto: Pixabay
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

“Tende a coragem de dar voz àqueles que são discriminados por causa de sua condição de deficiência.” Por ocasião do Sínodo sobre a sinodalidade, o Dicastério para os Leigos, a Família e a Vida e a Secretaria Geral do Sínodo quiseram responder a este convite, dirigido aos católicos pelo Papa Francisco na Encíclica Fratelli tutti, envolvendo algumas dezenas de pessoas com deficiência provenientes dos cinco continentes, numa sessão especial de escuta.

#TheChurchIsOurHome

A síntese da audição de escuta e o encontro com o Papa são agora contados numa série de quatro vídeos intitulados #TheChurchIsOurHome (#AIgrejaÉNossaCasa). O trailer já está disponível nas redes sociais e nos canais do YouTube do Vatican News, do Dicastério para os Leigos, a Família e a Vida e da Secretaria Geral do Sínodo. O primeiro vídeo da série, intitulado “Corresponsabilidade”, realizado pela Poti Pictures, divisão cinematográfica da Coop Soc “O Cenáculo”, será publicado no dia 6 de dezembro, por ocasião do encontro dos responsáveis ​​da pastoral das pessoas com deficiência de algumas conferências episcopais. A Poti Pictures é a primeira produtora de cinema social do mundo que produz comerciais, curtas e longas-metragens com atores com deficiência intelectual. Seguem-se outros três vídeos: “Levanta-te e anda!”, que será publicado em 15 de dezembro de 2022; “Um magistério da fragilidade”, em 12 de janeiro de 2023; e “Um processo maravilhoso”, em 26 de janeiro de 2023.

Perguntas e respostas

Graças a esta iniciativa, os participantes da sessão de escuta, respondendo às perguntas “O que o Espírito pede à Igreja? Que caminhos se abrem para a Igreja e para os fiéis com deficiência?” ofereceram seus rostos, suas vozes e, sobretudo, sua contribuição particular para a reflexão do Sínodo, contribuindo para a realização dos quatro vídeos.

“A cultura do descarte em relação às pessoas com deficiência”

O Documento de trabalho para a fase continental do Sínodo assinala, em numerosas sínteses, “a falta de estruturas e métodos adequados de acompanhamento das pessoas com deficiência” e apela a “novas formas de acolher a sua contribuição e promover a sua participação”. “Não obstante os seus próprios ensinamentos, a Igreja corre o risco de imitar a forma como a sociedade as deixa de lado”, adverte a nota. “As formas de discriminação elencadas, a falta de escuta, a violação do direito de escolher onde e com quem vivem, a negação dos Sacramentos, a acusação de feitiçaria, os abusos, e outros, descrevem a cultura do descarte em relação às pessoas com deficiência. Não nascem por acaso, mas têm em comum a mesma raiz: a ideia que a vida das pessoas com deficiência vale menos que as outras”.

Farrell: para ser realmente sinodal, a Igreja deve ouvir a voz de todos

O cardeal Kevin Farrell, prefeito do Dicastério para os Leigos, a Família e a Vida, no comunicado de imprensa de apresentação da iniciativa, agradeceu a Secretaria Geral do Sínodo que, desde o início, apoiou o projeto, destacando que graças a essa colaboração a contribuição dos fiéis com deficiência poderá chegar aos padres sinodais e evidenciou que “para ser realmente sinodal, a Igreja deve ouvir a voz de todos, ninguém excluído”.

Grech: é necessária uma “conversão sinodal”

Por sua vez, o secretário-geral do Sínodo, cardeal Mario Grech, concluiu, falando sobre a importância da “conversão da Cúria Romana em chave sinodal”. Afirmou que “a experiência vivida com o Dicastério para os Leigos, a Família e a Vida é um feliz testemunho disso e abre novos horizontes e espaços de colaboração para mostrar que a Igreja é realmente uma casa para todos!”

Fonte: Site da Vatican News

Veja Também