Secretário de Estado do Vaticano sublinha necessidade de um mundo livre de armas nucleares

Foto: Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV)
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Um mundo “próximo ao abismo de uma guerra nuclear”. São palavras do Cardeal Secretário de Estado Pietro Parolin, ao fazer o seu discurso na ONU por ocasião do encontro de Alto Nível para o Dia Internacional para a Eliminação Total das Armas Nucleares. A ameaça do uso de tais armas no conflito na Ucrânia, levou à Europa a ver o conflito em uma dimensão jamais vista em várias gerações, é “repugnante”.

Um imperativo moral e humanitário

A energia nuclear, enfatizou o Cardeal Parolin, é uma ameaça iminente que tem implicações devastadoras para toda a humanidade e demonstra que o objetivo de uma eliminação definitiva das armas atômicas, como escreveu o Papa na Fratelli tutti, é “tanto um desafio quanto um imperativo moral e humanitário”. No entanto, salienta o cardeal as ações dos Estados que possuem um arsenal nuclear estão longe de conduzir a tal resultado, pois, ao expandir e modernizar suas armas atômicas, continuam a contar com a dissuasão atômica, desconsiderando as obrigações de tratados internacionais, como o Artigo Seis do Tratado de Não-Proliferação Nuclear.

Ainda longe de um mundo livre das armas atômicas

Em agosto passado, os estados signatários do acordo de 1968 para regulamentar e estabilizar os arsenais se reuniram para a 10ª Conferência de Revisão do tratado e não conseguiram chegar a um acordo sobre um documento comum. Uma circunstância que a Santa Sé seguiu com preocupação. Mesmo se a minuta tivesse sido aprovada, salientou o Cardeal Parolin, a ausência no texto de novos compromissos significativos sobre desarmamento, ainda não teria aproximado a humanidade de um mundo sem armas nucleares.

É necessário o compromisso das potências nucleares

No entanto, foram feitos progressos no Tratado sobre a Proibição de Armas Nucleares de 2017, com os Estados-membros que aprovaram recentemente um plano de ação nas áreas de verificação de armamentos, assistência às vítimas e sobre as curas e consequências ambientais da energia nuclear. Esforços que para a Santa Sé também deveriam ser feitos pelas potências nucleares, independentemente da sua posição sobre este Tratado que elas não assinaram.

Um sistema cada vez mais frágil

Outro objetivo é revigorar os esforços para a entrada em vigor do Tratado sobre a Proibição Total dos Testes Nucleares de 1996, que ainda não foi ratificado por oito Estados signatários, e relançar as negociações de tratados sobre gestão de material físsil e garantias de não utilização de arsenais. Sem um progresso tangível para estes fins, o Secretário de Estado reitera, o sistema atual corre o risco de sofrer erosão. Enquanto existirem armas nucleares, a possibilidade de seu uso não pode ser excluída e isto, como o Papa Francisco disse em Hiroxima em 2019, “ameaça todo futuro possível para nossa casa comum”.

Fonte: Site Vatican News

Veja Também