Ressurreição de Cristo é anunciada durante Vigília Pascal

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Depois de mais de 40 dias, os fiéis puderam voltar a cantar o “Glória” na noite do Sábado Santo, 30 de março. Isso porque a tradicional Vigília Pascal marcou o anúncio da Ressurreição de Cristo, da vitória da vida sobre a morte.

Na Catedral, a Celebração Eucarística contou com a presença de centenas de pessoas e foi presidida pelo Arcebispo Metropolitano de Juiz de Fora, Dom Gil Antônio Moreira. A missa foi concelebrada pelo Pároco da Catedral, Padre João Paulo Teixeira Dias, e pelo Vigário Paroquial, Padre Danilo Celso de Castro. Os diáconos permanentes Antonio Valentino e Waldeci Rodrigues também participaram da Eucaristia, servindo ao altar.

Dom Gil falou sobre as celebrações da Semana Santa deste ano, muitas delas marcadas pelo tempo chuvoso. “Muitas procissões foram debaixo de chuva, mas foi bonito ver a presença do povo. Quem vem com essa circunstância é porque quer vir mesmo, é aquele que tem fé, entusiasmo e amor por Cristo.” O Arcebispo ainda exaltou o aumento da participação dos fiéis em 2024. “O número de confissões em Juiz de Fora, neste ano, triplicou. Os padres ficaram muito atarefados com as confissões e a presença da Igreja, apesar da chuva, foi maravilhosa, sinal de que estamos crescendo como comunidade e no amor de Deus.”

Círio Pascal

A liturgia começou com a Celebração da Luz, durante a qual o Arcebispo abençoou o Fogo Novo e preparou o Círio Pascal, cuja chama serviu para acender as velas dos presentes na igreja, até então na escuridão. Nele, Dom Gil fez cinco incisões de cravos, cada um contendo os grãos de incenso que representam o perfume de mirra e aloés com que José de Arimateia e Nicodemos envolveram o corpo de Jesus. A grande vela, marcada com os numerais do ano em curso, ainda foi assinalada com as letras alfa e ômega – a primeira e última letras do alfabeto grego -, simbolizando que Cristo é o princípio e o fim de todas as coisas.

Liturgia da Palavra e renovação das promessas batismais

À medida que a Catedral se iluminava com as velas que eram acesas, os corações se preparavam para a proclamação da Páscoa. “Ó Noite em que a coluna luminosa as trevas do pecado dissipou, e aos que creem no Cristo em toda a terra em novo povo eleito congregou! […] Na graça desta noite o vosso povo acende um sacrifício de louvor; acolhei, ó Pai santo, o fogo novo: não perde, ao dividir-se, o seu fulgor”, proclamou o Diácono Waldeci.

A celebração seguiu com a Liturgia da Palavra: oito leituras foram feitas, entre salmos e trechos do Antigo Testamento. Em seguida, um dos momentos mais emocionantes da noite: os sinos, silenciosos desde a tarde da Quinta-feira Santa, voltaram a tocar, acompanhados do Hino de Louvor. Após a proclamação do Evangelho, a terceira parte da Liturgia incluiu a Ladainha dos Santos, a bênção da Água Batismal e a renovação das promessas do Batismo pelos fiéis. Logo após, Dom Gil aspergiu a todos com a água abençoada.

Procissão e bênção com o Santíssimo Sacramento

Após a Eucaristia e a comunhão, Dom Gil Antônio Moreira conduziu o Santíssimo Sacramento em procissão pelo adro da Catedral Metropolitana, sendo acompanhado por um belo cortejo. No retorno ao templo, o pastor abençoou os presentes e convidou todos para as Missas da Páscoa.

*Colaboração: Assessoria de Comunicação da Catedral Metropolitana

Veja Também