Presidência da CNBB fala das perspectivas pastorais da entidade em 2022, do pós pandemia e o Sínodo 2023

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Em entrevista concedida ao boletim especial Igreja no Brasil, veiculado nas redes socais da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), os quatro membros da presidência da entidade falam sobre as perspectivas pastorais para 2002, com a realização da 59ª Assembleia e a celebração dos 70 anos da CNBB, os desafios da pós pandemia e o Sínodo 2023.

Desafios pastorais de 2022

O Arcebispo de Porto Alegre e primeiro vice-presidente da CNBB, dom Jaime Spengler reconhece que “é bem verdade que a sociedade brasileira está sendo marcada por antagonismos e polarizações”. Na avaliação dele, isto não é totalmente negativo uma vez que a diferença enriquece e posições contrárias são também necessárias. Contudo, ele aponta para o desafio de como, para além das diferentes posições, promover a familiaridade, a proximidade, a fraternidade e a paz no Brasil.

Dom Jaime diz ser necessário neste momento de festas e férias no início de ano ano fazer uma pausa, olhar para si e responder: “O que desejamos para as novas gerações, para o povo e nosso Brasil?”. Em seu desejo o arcebispo anuncia: “trabalho, teto, terra, vida e vida em abundância, como diz o Evangelho”.

“Somos um país riquíssimo, temos um clima privilegiado,  marcado também por diferenças. Somos capazes de produzir alimento quase para o mundo inteiro e, no entanto, temos uma multidão de famintos. Como promover a melhor distribuição de renda entre nós? São questões que dizem do cuidado, da fraternidade e da ternura com os quais todos sonham, o sonho do Evangelho e de Jesus Cristo. É importante recordar com o querido dom Hélder Câmara que disse, certa vez, que se todos formos capazes de sonhar o mesmo sonho, este sonho há de se tornar realidade entre nós”, aponta.

O arcebispo de Belo Horizonte (MG) e presidente da CNBB, dom Walmor Oliveira de Azevedo, diz ser necessário compreender que o chamado ‘novo normal’ não deve significar uma volta ao passado. “Atitudes egoístas, consumo sem limites, descaso com a Casa Comum e a indiferença em relação aos mais pobres têm provocado muitos adoecimentos”, avalia. Dom Walmor acredita que o novo ano precisa inspirar mudanças profundas.

“Essas transformações devem começar na interioridade de cada um de nós. Diante destas exigências, os cristãos têm o desafio de apontar o caminho, sendo exemplares no seguimento de Cristo Jesus. Isto significa semear a fraternidade e a amizade social com gestos de solidariedade, defesa dos direitos e da justiça. Os discípulos de Jesus quando olham para cada pessoa e a reconhece como irmão ou irmã. Sentem compaixão e não se deixam dominar pela indiferença e pelo ódio. A meta para 2022 precisa ser construir e reconstruir a fraternidade e a amizade social a partir dos ensinamentos de Jesus Cristo, nosso senhor”, orienta.

Para o bispo de Roraima (RR) e segundo vice-presidente da CNBB, dom Mário Antônio da Silva, 2022 não será apenas apenas 365 dias, mas a possibilidade de uma nova etapa e um novo momento. De acordo com ele, é preciso que nós nos preparemos para uma melhor “normalidade”. “Não se trata apenas de um ‘novo normal’ mas de ser realmente uma melhor normalidade baseada no altruísmo, na paciência e na confiança. Por isto, neste novo ano devemos afastar para longe de nós o orgulho, o egoísmo e a autossuficiência. Que tudo isto desapareça e que possamos construir com amor e com iniciativas onde todos possam enxergar a esperança e viver com muito amor”, deseja.

59ª Assembleia da CNBB

De acordo com o presidente da CNBB, a ideia é incorporar, no processo de realização da 59ª Assembleia do episcopado brasileiro, os aprendizados feitos no tempo desafiador da pandemia, contemplando as facilidades possibilitadas pela tecnologia digitais, sem abrir mão das partilhas presenciais. “Esperamos, neste ano, que a humanidade consiga novas vitórias contra a pandemia da Covid-19. Com a adoção da vacinação em diferentes países e a adoção de um modo de vida mais sustentável nos parâmetros que propõem a ecologia integral”, aponta.

O bispo auxiliar do Rio de Janeiro e secretário-geral da CNBB, dom Joel Portella Amado explica que, se o quadro da pandemia se mantiver como esteve até final de 2021, a 59ª AG CNBB será organizada em dois momentos: um exclusivamente virtual onde serão tratados os assuntos que podem ser discutidos virtualmente. “Deixaremos para o momento presencial, conforme planejamento que temos até hoje, três pontos que o Estatuto Canônico e o Regimento Interno da CNBB não permitem: as votações com implicações legislativas para a Igreja no Brasil, rezar e fazer o retiro juntos na casa da mãe Aparecida, uma conversa olho no olho, presencial, sobre tudo o que foi este período de pandemia para a Igreja, a pessoa e o ministério do bispo”, disse.

O segundo vice-presidente da CNBB afirma que a atual presidência da entidade está atenta, na organização da assembleia, à necessidade de assegurar a segurança, a partir dos aprendizados que os dois anos da pandemia ocasionaram na vida das pessoas. “Para esta segunda etapa estamos muito confiantes e responsáveis no processo de preparação para a realização com segurança dos debates, encaminhamentos necessários e da saúde dos bispos. Isto é algo com que estamos ocupando não apenas a nossa agenda, mas nosso coração e oração”, disse.

“A experiência da fé requer o encontro e a presencialidade. Certamente, não podemos imaginar o retorno do modo de fazer as coisas como há dois anos. Certamente, haveremos de nos confrontar com as situações novas e haveremos  de nos  adaptar frente ao novo que se descortina diante de nós. Como será? Não sabemos, mas  estamos aprendendo”, avalia o primeiro vice presidente da CNBB, dom Jaime Spengler.

70 anos de criação da CNBB

O Presidente da CNBB reforça que já “estamos no contexto jubilar para  celebrar os 70 anos da CNBB, de 14 de outubro  de 2021 a 14 de outubro de 2022”. Trata-se, segundo ele, de uma oportunidade para reverenciar a trajetória de 7 décadas da conferência episcopal do Brasil, homenageando evangelizadores e pastores que ajudaram  a tecer sua bonita história e deixaram uma profética herança.

“Neste ano jubilar, avançaremos mais na tarefa de investir numa Igreja sinodal, efetivamente de comunhão e participação e fecunda na missão”, reforça.

Dom Walmor destaca que o Jubileu de 70 anos da CNBB não será apenas apenas um tempo de comemorações. Ele aponta que será um tempo  de contemplar “a nossa história, atentos aos desafios vencidos pelos evangelizadores que nos precederam, para revigorarmos sempre e cada vez mais o compromisso de ajudar o Brasil a se tornar um país mais justo, solidário e fraterno. É tempo de reconstruir o Brasil, a sociedade na justiça e na paz”, disse.

O secretário geral aponta que será a celebração dos 70 anos de uma conferência muito comprometida com a vida, com a paz, com a democracia. “Há uma história com a qual nós devemos fidelidade e reverência. A CNBB tem uma história muito rica, vivida de acordo com cada momento e período da história de nosso país. Esta reverência  e respeito se manifestam respondendo com o mesmo espírito de comunhão e serviço aos desafios de 2022”, disse dom Joel.

O que podemos esperar desta celebração? Pergunta o segundo vice-presidente da entidade. De acordo com ele, novos passos e caminhos, novos passos na direção que nos aponta o Reino de Deus, a perseverança no serviço, o testemunho fecundo na escuta e na sinodalidade e até mesmo um comprometimento maior para que os frutos sejam abundantes para a vida de todos.

“Eu até vejo que é preciso, mesmo numa comemoração festiva de 70 anos, não esquecer daqueles que sofrem. Sofrer com eles e também nos rejubilarmos com os que estão felizes. O que mais quero e espero é que caminhemos juntos e que o Espírito Santo nos ilumine e nos encoraje para falar ao coração das pessoas. Também escutar o coração das pessoas. Que quando falarmos, como CNBB, a gente consiga pela luz do Espírito Santo falar ao coração das pessoas”, disse do Mário.

Sínodo 2023

O Sínodo 2023 já está acontecendo com a fase de escuta nas Igrejas particulares de todo mundo desde outubro de 2021. De acordo com o secretário-geral da CNBB ele tem duas peculiaridades e características: “primeiro ele não é um sínodo que diz respeito a uma área da Igreja. Por exemplo: geografia e cultura com o Sínodo da Amazônia; Situação existencial com os Sínodos da Família e da Juventude”, disse.  Dom Joel destaca que um sínodo sobre sinodalidade diz respeito à toda Igreja e que ninguém está fora dele, porque envolve todos os batizados e batizadas. “A segunda é a forma. Não acontecerá apenas na Assembleia Sinodal de 2023, mas já está acontecendo num amplo processo de escuta realizado nas Igrejas particulares do mundo inteiro”, aponta.

Para dom Joel, o grande valor do Sínodo 2023, mais do que as proposições, os destaques e propostas, está no processo de realização. “Ele deverá marcar a Igreja por uma experiência muito rica que é a capacidade de nos ouvirmos uns aos outros e testemunharmos ao mundo, que a Igreja tem uma capacidade incrível de escuta, que é possível e viável ouvir, tecer a escuta mútua, a tomada de decisão a partir das diferentes visões”, projeta.

Dom Joel apontou para uma expressão do Papa Francisco muito interessante: “ouvirmos uns aos outros para juntos ouvirmos o Espírito”. Para o secretário-geral da CNBB, o sínodo é um sinal de esperança para a Igreja e, pelo testemunho da Igreja, para o mundo. “O Sínodo de 2023 não vai tratar só questões da Igreja voltada para si mesma. Mas uma Igreja que se depara com o grande desafio da comunhão, da fraternidade, da Fratelli Tutti”, conclui.

Fonte: Site da CNBB

Veja Também