Papa Francisco, após o Angelus, reza pela paz no Sudão

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

O Papa Francisco disse que está acompanhando com preocupação as notícias do Sudão do Sul sobre os violentos confrontos dos últimos dias.

“Rezemos ao Senhor pela paz e pela reconciliação nacional, para que os ataques cessem e para que os civis sejam sempre respeitados”.

O apelo após o Angelus ressoa quando a Agência da ONU para Refugiados adverte sobre o agravamento da situação humanitária causada pela intensificação do conflito armado no estado do Alto Nilo, no Sudão do Sul, que deslocou dezenas de milhares de pessoas vulneráveis, e vem antes da peregrinação ecumênica programada do Papa para paz ao Sudão do Sul de 3 a 5 de fevereiro de 2023.

Conflito e deslocamento

Relatórios recentes estimam que mais de nove mil pessoas fugiram da violência mais recente no estado do Alto Nilo, no Sudão do Sul. A espiral de violência continua a infligir miséria humana em toda a região.

A agência de refugiados da ONU, ACNUR, diz que pelo menos 20 mil pessoas fugiram desde agosto, incluindo vários milhares através da fronteira.

Desde o mês passado, cerca de 9.000 pessoas — a maioria mulheres e crianças — foram deslocadas depois que batalhas entre facções armadas eclodiram no condado de Fashoda, no Alto Nilo.

Relatando a terrível situação, as Nações Unidas disseram que algumas pessoas foram forçadas a se esconder em pântanos e arbustos para evitar o perigo.

A violência na região já matou dezenas de pessoas. Civis em fuga estão traumatizados e relatam assassinatos, ferimentos, violência de gênero, sequestros, extorsão, pilhagem e incêndio de propriedades.

Enquanto isso, no vizinho Sudão, as Nações Unidas organizaram um encontro com diplomatas da União Africana para discutir o agravamento da crise na semana passada. Isso ocorreu quando os líderes militares concordaram em devolver o poder a grupos civis em um grande movimento para encerrar uma crise política em andamento.

O país foi atingido pela calamidade desde que o exército derrubou o líder de longa data Omar al-Bashir em 2019.

Acordo intermediado por Sant’Egidio

Enquanto isso, em Juba, o governo se retirou das negociações de paz com grupos rebeldes, acusando-os de usar as negociações “para ganhar tempo enquanto se preparam para a guerra”.

As negociações entre representantes do governo e uma coalizão de grupos rebeldes que não assinaram um acordo de paz de 2018 que encerrou uma guerra civil de cinco anos foram intermediadas pela comunidade de Sant’Egidio, com sede em Roma.

As negociações começaram em 2019, mas não conseguiram conter a violência no sul do país, apesar de um cessar-fogo assinado em janeiro de 2020.

Fonte: Site da Canção Nova

Veja Também