O Papa à FAO: erradicar a fome requer ações planejadas

Níveis catastróficos de insegurança alimentar na Somália deixaram mais de 513 mil crianças em risco de morte;/ Foto: Ismail Taxta - Via Unicef

“Vivemos em um contexto de guerra, que poderíamos chamar de ‘terceira guerra mundial’. O mundo está em guerra, e isto deve nos fazer refletir”: este é o convite que o Papa Francisco dirige à FAO, a Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação, na mensagem enviada ao diretor geral Qu Dongyu, por ocasião das celebrações do Dia Mundial da Alimentação – que se realiza em 16 de outubro.

Ver os outros como nossos irmãos e irmãs

Lembrando que o tema do Dia Mundial da Alimentação deste ano é “Não deixar ninguém para trás. Melhor produção, melhor alimentação, um ambiente melhor e uma vida melhor para todos“, o Papa observa que não é possível “enfrentar as muitas crises que afetam a humanidade a menos que trabalhemos e caminhemos juntos, não deixando ninguém para trás” e salienta que é necessário ver “outros como nossos irmãos e irmãs, como membros que formam nossa própria família humana, e cujos sofrimentos e necessidades nos afetam a todos”.

Intervenções planejadas e programadas para soluções duradouras

Com relação às “quatro melhorias” – melhor produção, melhor alimentação, melhor ambiente e melhor vida para todos – que constituem o tema deste ano, Francisco sublinhou a necessidade de planejar e programar intervenções “de modo a contribuir para a erradicação total da fome e da desnutrição”, não se limitando assim a simples respostas “a deficiências circunstanciais ou apelos lançados por causa de emergências”. “A fim de alcançar soluções justas e duradouras”, acrescentou o Pontífice, “é necessário reiterar a urgência de enfrentar juntos e em todos os níveis o problema da pobreza, que está intimamente ligado à falta de alimentos adequados”.

Introduzindo a “categoria do amor” na cooperação internacional

Portanto, sugere o Papa, para atingir os objetivos estabelecidos, deve-se considerar como eixo de qualquer estratégia “as pessoas, com histórias e rostos específicos, que vivem em um determinado lugar”, e não avaliá-las como “números infinitos, dados ou estatísticas”. Ele também convida a introduzir “também a “categoria do amor” na linguagem da cooperação internacional, para revestir as relações internacionais com a humanidade e a solidariedade, buscando o bem comum”. Por esta razão, assinala Francisco, “somos chamados a recentrar nosso olhar no essencial, no que nos foi dado livremente, concentrando nosso trabalho no cuidado com os outros e com a criação”.

Fraternidade, harmonia e cooperação mútua para o bem da humanidade

Concluindo sua mensagem, o Papa também renova “mais uma vez o compromisso da Santa Sé e da Igreja Católica de caminhar junto com a FAO e outras organizações intergovernamentais que trabalham em prol dos pobres, colocando em primeiro lugar a fraternidade, a harmonia e a colaboração mútua”, para que sejam descobertos horizontes que trarão benefícios ao mundo, “não só para hoje, mas também para as gerações vindouras”.

Fonte: Site Vatican News

Veja Também