Missa dá início à JMJ de Lisboa e Papa Francisco dá início a agenda de quatro dias em Portugal

Missa de abertura/ Foto: Sebastiao Roxo/ JMJ Lisboa 2023

Na tarde de terça-feira, 1º de agosto, teve início a Jornada Mundial da Juventude de Lisboa (JMJ Lisboa 2023). O cardeal Patriarca de Lisboa, dom Manuel Clemente, presidiu a missa de abertura do evento no Parque Eduardo VII de Lisboa. Já na manhã desta quarta-feira, 2 de agosto, o Papa Francisco chegou à capital portuguesa e deu início à sua série de compromissos no país.

Aprender com Maria

Em sua homilia, dom Manuel refletiu sobre o tema da jornada “Maria levantou-se e partiu apressadamente ao encontro de Isabel”. Após dar as boas-vindas aos peregrinos, ele sublinhou que os jovens, como Maria, puseram-se a caminho – “e para muitos de vós foi um caminho difícil pela distância, as ligações e os custos que a viagem envolveu – foi preciso juntar recursos, desenvolver atividades para os obter e contar com solidariedades que graças a Deus não faltaram”.

Dom Manuel Clemente falou da pressa de Maria e, com ela, também da urgência do anúncio, do testemunho e da visitação permanente aos outros. Pressa, contudo, que não se confunde com a ânsia, porque a pressa é partilhar o que já nos leva e por isso é uma urgência serena e sem atropelo.

E, por último, a saudação de Maria a Isabel, um encontro “alegre e autêntico”. Dom Manuel disse aos jovens: “ide também vós ao encontro dos outros”.

“Aprendamos com Maria a saudar todos e cada um” para sermos “pessoas entre pessoas”, na reciprocidade e sinceridade.

Encontros Rise Up

As catequeses desta JMJ foram denominadas “Encontros Rise UP”, uma referência ao verbo levantar-se presente no tema da JMJ. Essas catequeses organizadas em mais de 270 espaços e organizados por idiomas, serão oportunidade de desafiar os jovens a refletir sobre grandes temas lançados no pontificado do Papa Francisco: Ecologia Integral, Amizade Social e Misericórdia.

Papa em Lisboa

O Papa Francisco chegou nesta manhã à capital portuguesa e foi recebido pelo presidente do país, Marcelo Rebelo de Sousa, e por duas crianças que lhe ofereceram flores. Após uma conversa de alguns minutos com o mandatário lusitano, Francisco dirigiu-se ao Palácio Nacional de Belém para a cerimônia de boas-vindas.

O Papa Francisco e o presidente português Marcelo Rebelo de Sousa | Foto: Vatican Media

No encontro com as autoridades, a sociedade civil e o corpo diplomático, o pontífice refletiu sobre a realidadade do mundo e falou de seus anseios para o continente europeu, a partir da imagem do oceano.

“O oceano não liga apenas povos e países, mas também terras e continentes. As grandes questões hoje, como sabemos, são globais e já muitas vezes tivemos de fazer experiência da ineficácia da nossa resposta às mesmas, precisamente porque o mundo, diante de problemas comuns, se mantém dividido ou pelo menos não suficientemente unido, incapaz de enfrentar juntos aquilo que nos põe em crise a todos. Parece que as injustiças planetárias, as guerras, as crises climáticas e migratórias correm mais rapidamente do que a capacidade e, muitas vezes, a vontade de enfrentar em conjunto tais desafios”, observou Francisco.

Referindo-se à Jornada Mundial da Juventude, motivo desta sua viagem apostólica a Portugal, o Papa disse esperar que a mesma seja para o «velho continente», um impulso de abertura universal e ocasião para “construir juntos”.

“Reaviva o desejo de criar coisas novas, fazer-se ao largo e navegar juntos rumo ao futuro. Vêm à mente algumas palavras ousadas de Fernando Pessoa: «Navegar é preciso; viver não é preciso (…); o que é necessário é criar» (Navegar é preciso). Trabalhemos, pois, com criatividade para construirmos juntos!”.

Fonte: Site da CNBB

Veja Também