Menina Benigna: primeira Beata do Ceará e símbolo contra a violência à mulher

A cerimônia está prevista para às 17h da próxima segunda-feira, dia 24 de outubro /Foto: Luiz Felipe Araújo
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

O Papa Francisco será representado na beatificação da mártir Benigna Cardoso da Silva no Brasil pelo cardeal Leonardo Steiner, Arcebispo de Manaus. A cerimônia se realiza no Parque de Exposição Pedro Felício Cavalcanti na cidade de Crato, no Ceará, nesta segunda-feira, 24 de outubro, dia do martírio da adolescente de apenas 13 anos no ano de 1941. Danilo Sobreira, coordenador de Pastoral da Paróquia Senhora Sant’Ana de Santana do Cariri, cidade natal da mártir, conta um pouco sobre a história da futura Beata brasileira que nasceu em 15 de outubro de 1928, ficou órfã de pai e mãe muito cedo, foi adotada com os irmãos e criada até os 13 anos, idade do seu martírio:

“Benigna, em vida, foi vista como uma pessoa santa. Era muito dedicada aos estudos – era a primeira da classe, caridosa, amante da natureza e dos animais, extremamente religiosa, com assídua participação na Eucaristia aos domingos. Recebeu de presente uma bíblia do pároco na época que virou livro de cabeceira: ela lia as histórias e trazia para a sua vida como reflexão, transmitindo aos amigos e sendo até catequista por ensinar a Palavra de Deus. E também nutria devoção especial a Nossa Senhora do Carmo a quem sempre invocava para a livrar do inferno. Aos 12 anos, começou a ser assediada por um rapaz chamado Raimundo Raul Alves Ribeiro que sempre rejeitou. Após várias tentativas de aproximação, ele armou uma emboscada por volta das 16h de 24 de outubro de 1941 após chegar da escola e quando ia buscar água próxima de casa: ele a abordou sexualmente. Ela rejeitou por ver no ato uma ofensa a Deus e, em consequência, ele a golpeou várias vezes com facão, tirando a sua vida. Desde então, ela é invocada como mártir, heroína da castidade, mártir da pureza.”

A devoção à Menina Benigna

Espontaneamente – e por muitas décadas – as pessoas iam até o local onde ela foi assassinada para rezar e pedir a sua intercessão, acender velas e colocar flores. O local do martírio foi marcado na época com uma cruz fincada no chão, que depois se tornou um monumento. Em 2004, um grupo de leigos provenientes de Natal-RN decidiram, então, celebrar uma missa na data e no local do martírio em Santana do Cariri. Mas, como o local é de difícil acesso e de propriedade privada, o povo construiu próximo dali uma capela, construída de pedra cariri, em 2005.

A partir daí as romarias começaram a ser promovidas, cresceram e ganharam mais importância quando a Igreja assumiu a causa em 2013, tendo início o processo diocesano para a beatificação. Já em 2019, o público estimado na romaria chegou a 30 mil pessoas. Para 2022, então, a cidade espera receber – sobretudo pela cerimônia de beatificação – cerca de 60 mil pessoas.

Complexo de Benigna ficará pronto em 2023

Para os próximos anos, então, a região do Cariri espera melhor receber os devotos da mártir com o “Complexo de Benigna” que já está com 35% dos trabalhos concluídos e fica próximo à capelinha do martírio que existe até hoje. A previsão de entrega da obra está prevista para agosto de 2023. O local vai contar com uma estátua da futura Beata de mais de 20 metros e um espaço para oração que será chamado de Santuário de Benigna, como explica Ypsilon Felix, secretário de Cultura de Santana do Cariri-CE:

“Fruto de uma parceria entre governo do Estado e do Município, com acompanhamento da Paróquia Sant’Ana, aqui da diocese de Crato, está sendo construído um lindo complexo turístico religioso que contará com uma grande estátua da primeira Beata do Ceará, com infra-estrutura de acolhimento para os romeiros da Mártir Benigna Cardoso. São mais de 48 mil metros quadrados de área, com capacidade para abrigar mais de 100 mil romeiros, com áreas para estacionamento, ambulantes e grandes celebrações.”

Fonte: Site Vatican News

Veja Também